5min. de leitura

Por que as pessoas sofrem nos relacionamentos e ainda assim continuam juntas?

“Ele me faz sofrer, mas eu deixo que o faça. Eu o amo mesmo assim.” Esta foi a frase do depoimento de uma mulher que sofria abusos do marido e que mesmo sofrendo, não o queria deixar. 

Existem outros tantos casos, entre homens e mulheres, que são bem parecidos. Um dos lados do relacionamento é o vilão, a vilã, o que maltrata, que faz sofrer, que agride mesmo que moralmente, emocionalmente. Do outro lado, a vítima, o atacado, a sofredora, o humilhado, a rejeitada, o infeliz.


Essa foi ainda uma boa conversa que tive com um amigo psicólogo, aqui em meu sofá, enquanto tomávamos café. “Por que as pessoas vivem assim? Por que se deixam passar por isso?”

Estudamos diversas possibilidades, dentre elas, a falta de coragem de mudar, a dependência emocional e ao fato do sofrimento agora ser o que nutre uma pessoa. 

Para mim, é claro, tudo é muito absurdo. Porém, sei o que a paixão faz com a gente. Sei que ela é feito uma cachaça que nos deixa embriagados por longo tempo, até vir o dia seguinte, a ressaca, a sobriedade e a danada da cachaça de novo! Tipo um vício, sabe? Tipo algo que não se sabe mais viver sem.

Algumas pessoas podem dizer que isso é amor, que aceitam tudo por amor, mas, se elas vasculharem seu interior sombrio, verão outros tantos motivos e muitos preferirão continuar chamando essa loucura toda de “amor”.


Até cruzo meus braços para pensar qual foi a vez que me sujeitei a um sofrimento dizendo amar e por quanto tempo. Lembrei-me de que, por longos 8 meses me deixei iludir e acreditar que algo real existia e aquilo tudo era tão necessário pra mim que deixei acontecer e permiti que me levasse tão longe que quando abri os olhos eu já estava fundo demais. Eu era torturada emocionalmente todas as horas porque eu implorava por sentir as coisas que eu sentia toda vez que estava ao lado daquele homem. Mas, um dia, aquilo foi muito mais intenso que eu poderia suportar e quando me vi chorando mais do que sorria eu enxerguei a verdade: eu vi que eu não era feliz, que aquilo não poderia ser amor e que eu não merecia viver assim.

Nunca mais eu vivi um sofrimento igual. Aprendi a prezar por mim, pela minha saúde mental, pelo meu bem-estar. 

Deixar alguém fazê-lo sofrer? Que loucura é essa? Por quanto tempo? Acha mesmo que precisa disso que merece isso? No mínimo, você não é vítima, é tão algoz quanto para se nutrir disso tudo, para achar e sentir que é esse fluido que o(a) mantém viva! O fluido do sofrimento é um horror, minha amiga! Viver em sofrimento é apavorante, como se vivêssemos em uma prisão fria e solitária com um torturador constante nos visitando todos os dias! Quem quer viver assim?

Tudo bem, eu entendo que, talvez, dizer que o ama seja uma forma de se justificar porque nem mesma você entende porque se sujeita a isso ou não tem forças para mudar. Muitas dizem não ter forças


Como eu encontro a força?

Na sua motivação. Na sua vontade de ser feliz mesmo que agora doa tudo! Na sua necessidade absurda de ser amada de verdade por alguém que só te faça bem, que faça amor!
Pegue essa motivação e pinte o seu mundo com novas cores.

Se porventura você insistir que quer viver assim porque o ama, ótimo! Apenas diga: “Eu o aceito como ele é, sei que me faz sofrer, sei que me deixa infeliz na maior parte das horas, mas eu quero viver isso, eu quero viver assim.” E, por favor, ao dizer isso, escute-se.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens/lightfieldstudio.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.