ColunistasRelacionamentos

Por que os amores impossíveis marcam tanto?

por que amores impossíveis

Se há tantas pessoas no mundo, por que nos sentimos atraídos por quem não podemos ter? Afinal, por que os amores impossíveis marcam tanto?



Quem nunca se apaixonou por alguém que dificilmente poderá se relacionar? O aluno pela professora, os primos adolescentes, alguém que more longe, ou mesmo que já esteja comprometido. A literatura e o cinema estão repletos de histórias que alimentam as nossas paixões platônicas.

Romeu e Julieta, o casal que simboliza o amor proibido, também torna universal o ideal romântico, mas que nos assombra pelo final trágico do enredo. As famílias inimigas minam a união dos jovens que juraram amor eterno, e preferem morrer do que passar uma existência longe um do outro.

Mas se há tantas pessoas no mundo, por que nos sentimos atraídos por quem não podemos ter?


Por vezes, entender o sentimento humano é como entrar em um labirinto sem saída. Podemos nos apaixonar por carência, pelo cuidado e atenção que alguém tem conosco, por admiração e, principalmente, porque buscamos preencher as lacunas do coração. Além disso, a ideia de se aproximar do diferente, do oposto e do mais difícil é altamente sedutora para quem não se satisfaz com as tarefas simples e fáceis.

Acreditamos que a outra pessoa nos completará e que nunca mais nos sentiremos sozinhos. É a aceitação plena, um abraço que carrega a promessa de durar para sempre.

É comum idealizarmos relacionamentos que não passam de ilusão, e que depois podem trazer arrependimento pelo desequilíbrio emocional que nos causaram. É quando o príncipe vira sapo e a fada vira bruxa, destruindo nossos mais encantados castelos. Criamos expectativas que nos levam a atitudes impulsivas, ao sofrimento e à frustração de um sonho rarefeito, que só existia no mundo fantasioso que inventamos.

O sentimento não-correspondido é ainda mais doloroso e difícil de cicatrizar, e chega um momento que devemos deixar ir, pois não vale a pena nem mesmo se lembrar. A rejeição da pessoa amada é algo humilhante, podendo levar a crises gravíssimas e até a doenças emocionais. É preciso estar atento para não cairmos na armadilha da dependência e da obsessão.


Mas embora algumas relações não sejam saudáveis pelas feridas que deixam, o fato é que uma paixão avassaladora sempre existirá para aqueles que um dia a sentiram, e não puderam vivê-la na totalidade.

É como uma febre latente, que emana calor toda vez que nos lembramos dela. Sempre iremos pensar como teria sido, se teria dado certo, se teríamos sido realmente felizes ao lado do grande amor que fomos impedidos de viver.

Por outro lado, conseguir a façanha de estar com alguém que parecia inacessível, ou viver situações perigosas, não só tornam a história uma aventura digna dos livros, mas também sustentam nossos desejos de conquista e superação de desafios, como um jogo em que somos estimulados a desenvolver estratégias e talentos, nos ensinando a conviver com experiências surpreendentes.

Uma paixão impossível também pode se transformar em um amor verdadeiro e recíproco, que pode vencer todas as dificuldades e se tornar forte e duradouro, exatamente pelas barreiras superadas. Há a possibilidade de apenas amar, já que não há chance de se compartilhar uma vida a dois naquele momento. É uma decisão difícil, mas que a maturidade permite que se faça essa escolha e se viva de forma saudável e equilibrada.


Todos conhecemos casos em que o sentimento sobreviveu ao tempo e o reencontro se realizou em um novo contexto. É quando o possível vira a mesa e o improvável acontece.

E mesmo que a vida siga o caminho previsível, há outras formas de fazer que o sentimento continue existindo, como um segredo guardado em um baú de memórias, um tesouro de pirata que espera que o destino encontre um atalho e surpreenda com um novo final, uma ilha misteriosa descoberta em uma viagem sem roteiro.

E se formos parar para pensar, o que vale realmente na vida é o fato de sentir-se capaz de amar, de ter dentro de si a chama de uma existência plena em grandes e nobres sentimentos. É ter um mapa em mãos e viver à procura de experiências mágicas e reconfortantes, que nos despertam as melhores e mais doces lembranças.

E mesmo que uma história não tenha o final comum dos contos de fada, o que seria de nós sem as histórias incríveis para contar?



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: shevtsovy / 123RF Imagens


A dor do passado não pode impedir um futuro. Tudo se renova. Permita-se!

Artigo Anterior

E quando a vida traz com ela um furacão na alma

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.