publicidade

Por que os cafajestes são tão atraentes?

Os malandrões e conquistadores ousados, os que chegam dizendo-se apaixonados e prometendo mundos e fundos, despertam o entusiasmo erótico com uma facilidade incrivelmente maior do que os homens mais recatados, sutis e educados. Estes morrem de inveja dos sedutores porque não conseguem agir da forma mentirosa e invasiva com que eles abordam suas “presas”. Os melhores invejam os piores – um paradoxo que deriva do sucesso deles nesta área tão relevante!



Os cafajestes são atraentes principalmente para as moças mais bem comportadas; porém, por força de sua atitude insistente acabam atiçando a vaidade até mesmo daquelas que têm um caráter mais parecido com o deles: as mais ousadas também ficam fascinadas com o modo irreverente e desrespeitoso do paquerador ostensivo, que demonstra óbvio interesse sexual e o “disfarça” em entusiasmo romântico. Sua conversa soa como música aos ouvidos daquelas que preferem reconhecer a si mesmas como mais românticas e voltadas para a busca de vínculos estáveis.

Estas moças acabam caindo na mesmo armadilha inúmeras vezes. Ou são muito tolas e não aprendem com a experiência ou então querem mesmo é uma aventura erótica sem compromissos, mas não conseguem ser sinceras consigo mesmas. Prefiro a segunda hipótese. Acontece que até mesmo o fascínio erótico tende a conduzi-las à busca de relacionamentos duradouros. Ao aceitarem a abordagem – altamente excitante – destes homens que parecem estar loucos por elas, viverão a aventura sexual apesar dos riscos de envolvimentos maiores.

Serão salvas de alianças afetivas indesejáveis graças ao comportamento dos cafajestes que só queriam mesmo é sentir o prazer da conquista, o gosto de tê-las enganado. No dia seguinte não telefonam para elas; e nem nos dias que se seguem. Esperam que elas corram atrás deles da mesma forma que, antes da conquista, eles o fizeram – é uma vingança. E elas costumam fazê-lo. Não se conformam com a rejeição e a humilhação; sofrem muito com o descaso. Mostram-se surpresas quando lhes acontece o que era mais do que previsível. Demoram semanas para se recuperar. Prometem nunca mais repetir o mesmo erro. Mas os dias se passam e lá estão elas caindo na mesma cilada.


Enquanto isso, eles, nas mesas dos bares, abraçados com os amigos, se vangloriam…

(Flávio Gikovate é médico-psiquiatra, psicoterapeuta, conferencista e escritor. Atualmente apresentando o programa “No Divã do Gikovate”, na rádio CBN, e dedicando a maior parte do tempo à clínica)


Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.