Por que você desistiu do seu sonho?

Muitas vezes adaptamos nossos sonhos a uma situação, e então desistimos deles.

Sonhos habitam no mundo das ideias. Transferi-los para o mundo real é um empreendimento bastante árduo. Porque nossa realidade é dura. Quantas não são as vezes em que temos que seguir um caminho aparentemente contrário ao sonho para, então, voltar a ele.

Pode ser que situações tenham os afastado de nós. Pode ser que fomos obrigados a adiá-los por conta de certas decisões. Mas a pior coisa é quando, na impossibilidade de esperar sua realização, nós os adaptamos para caber na nossa vida. Assim, não precisamos fazer aquelas mudanças necessárias para chegar até eles.

Queria ser médico, então fui enfermeiro

A pessoa sonha com a medicina. Imagina-se caminhando dentro de um grande hospital, vestida com jaleco bordado com seu nome, estetoscópio no pescoço, salvando vidas. Mas até chegar nesse estágio, deverá ter percorrido um longo e exaustivo caminho.

Um ou dois anos de cursinho, 4 a 6 anos de faculdade, dois de internato, dois ou mais de residência. Se a pessoa for pobre, a chance de cruzar a linha de chegada é muito pouca. Se não for muito esforçada, não aguenta nem a metade do percurso.

Daí, o atalho: a adaptação do sonho. A pessoa pode ir para a enfermagem, até psicologia ou, na pior das hipóteses, cursos técnicos da área médica, como radiologia ou laboratório.

Veja, o problema não é a escolha por esses cursos em si, mas a motivação para isso. Ela não é legítima. O cara não sonha em ser enfermeiro ou psicólogo, ele quer mesmo é ser médico, mas como o caminho é árduo demais adapta o sonho à sua realidade.


Sempre sonhei em ser escritor, mas sou mesmo é professor de português

Não existe faculdade para formar escritor. Mas a pessoa vai fazer a faculdade de Letras achando que é o curso que vai ensiná-la a escrever literatura.

Daí, o cara vira professor e a cada dia percebe que escrever seu livro está cada vez mais difícil. Ele não tem tempo para nada, e o sonho vai sendo adiado.

Ele pode acabar adaptando o sonho à sua situação de alguma maneira. Vai dar aulas de redação, fazer projetos de incentivo à leitura, trabalhar em biblioteca, virar blogueiro, não importa.

O que é profundamente triste é soterrar um sonho dentro de si porque ele não cabe na sua vida. Deixar para lá pode ser a ação mais cruel que você fez a si mesmo até hoje.


Desenterrando sua felicidade

Mesmo que você não receba incentivo de ninguém, deve continuar acreditando e, principalmente, fazer alguma coisa a respeito. Você não deveria precisar de uma platéia de fãs torcendo por você, mas se é assim, recomendo que trabalhe sua autoestima imediatamente. De preferência, procure um psicoterapeuta.

Você quer ser lido, então procure as plataformas de autopublicação. Esperar aquela resposta positiva de uma editora tradicional pode levar anos e ficar preso aguardando essa resposta será frustrante e infértil.

Crie um blog. Ok, você tem medo de ter suas ideias roubadas. E quem não tem? Mas isso não impede que mais e mais blogueiros surjam todos os dias. Além do mais, já existe o registro de blogs, o que é um grande recurso de segurança para suas criações.

Também existem as plataformas específicas para publicação de narrativas, como o Wattpad as quais são ótimas para sentir sua audiência.


Os passos do planejamento

Não desista do seu sonho. Não o adapte à sua situação atual. Assim como você planeja uma viagem, definindo orçamento, onde quer ir, como e quando, planeje a sua própria viagem com destino ao seu sonho.

  • Onde você quer chegar?
  • Quando você quer que isso aconteça?
  • Quanto você precisa investir para isso?
  • Como você chegará lá?
Abra uma nota no seu caderno digital preferido (o meu é o Evernote) e monte o seu plano estratégico.

Responda as perguntas acima e arquive as respostas. Nem sempre serão respostas fáceis, você precisará refletir, ponderar, pesquisar. Mas será um exercício bacana de autoconhecimento.

Consulte seu plano com frequência. E não tenha medo de fazer alterações. Escritores precisam aprender a desapegar do que escrevem.

Monitore seus resultados. Reavalie sua posição, veja se está no caminho ou se já viajou para outros mares (fazemos isso o tempo todo, culpa do excesso de criatividade hehe).

E quando chegar lá, desfrute a estadia no seu destino chamado SONHO.

Esse texto o fez refletir? Então, conte para a gente aí nos comentários.


Direitos autorais da imagem de capa: Daria Nepriakhina on Unsplash



Deixe seu comentário