Comportamento

“Preciso de uma caminha, a minha está quebrada.” Menina escreve carta para PM e realiza sonho

O sargento que recebeu o pedido publicou a foto da cartinha de Micaely nas redes sociais e, em menos de uma semana, conseguiu a cama e um colchão por meio de doação.



Não costumamos pensar em como temos conforto e privilégios, até que algo falte em nossa casa. É quando começamos a perceber que as necessidades mais básicas, quando não atendidas, geram um impacto negativo na qualidade de vida. As coisas mais essenciais, como água potável, energia elétrica, geladeira, fogão, um teto e uma cama, são as que mais fazem falta, caso passemos necessidades.

A pequena Micaely Aparecida Dias Santos, de 9 anos, sabia muito bem o que era sentir falta de um dos itens que talvez muitos considerem básico: uma cama. Segundo reportagem do G1, a menina rezava todos os dias pedindo a Deus que lhe desse uma “caminha” confortável para que pudesse dormir.

Moradora da zona rural de São João do Pacuí, em Minas Gerais, ela escreveu uma carta sobre o sonho aos policiais militares, e teve seu desejo atendido. A mãe Solange Dias Santos conta que Micaely decidiu sozinha redigir a cartinha para a PM, e as duas foram pessoalmente até o quartel para entregá-la, que fica a cerca de 12 quilômetros de distância da comunidade onde vivem.


Solange explica que não sabia o que a filha havia pedido e, todas as noites, quando a encontrava rezando, acreditava que ela estava pedindo uma bicicleta. O sargento e comandante da unidade, Guilherme Alves Malveira, foi quem as recebeu no quartel, ele havia acabado de começar o turno; foi a primeira ocorrência do dia.

Direitos autorais: reprodução/Polícia Militar.

O sargento conta que as duas chegaram ao quartel e a mãe pediu para falar com ele. Todos se dirigiram a uma sala, e Micaely lhe entregou uma cartinha cheia de corações desenhados. A menina olhava para o oficial com muita esperança de que ele seria a pessoa certa para ajudar, e aquilo tudo o deixou muito emocionado, fazendo com que prometesse se esforçar para atender ao sonho da garotinha.

A ideia que o policial teve foi de compartilhar aquela carta em suas redes sociais, para que mais pessoas soubessem do caso, aumentando as chances de ajuda. Em menos de uma semana, ele conseguiu uma cama e um colchão, que foram doados pela comerciante Fernanda Araújo Ribeiro, que também ficou comovida com o pedido.


Fernanda explica que tem um filho da mesma idade, uma criança que tem todas as necessidades atendidas, dentro das possibilidades da família, enquanto Micaely estava pedindo um item básico.

A comerciante ainda diz que a menina poderia ter pedido infinitas coisas, como brinquedos, roupas, mas estava apenas querendo uma cama. Para ela, a postura do policial foi contagiante e mostra que ele é um “instrumento de Deus” na cidade.

Direitos autorais: reprodução/Polícia Militar.

O oficial decidiu responder ao pedido de Micaely através de uma carta, que foi deixada na casa da família cerca de três dias antes de a cama ser entregue. Guilherme dizia que estava se esforçando para realizar o sonho da menina, e informou a data em que o presente chegaria. Todos ficaram muito emocionados, inclusive o policial, que foi pessoalmente entregar a carta.


Na segunda-feira, dia 14, o sonho de Micaely foi finalmente atendido e, na sua casa, foram entregues a cama, um colchão e um lençol com a estampa da princesa Ana, do filme Frozen, que faz muito sucesso entre as crianças.

Direitos autorais: reprodução/Polícia Militar.

A pequena disse que ficou muito feliz com o presente e que rezava todas as noites, sabendo que Deus atenderia ao seu pedido. Solange explica que, como está desempregada, não tinha condições de arcar com os custos de um móvel novo, e que a filha precisava dormir em uma cama improvisada, com um colchão que tinha um enorme buraco e costumava afundar durante a noite. Por vezes, Micaely precisava dormir no sofá ou mesmo no chão da casa, o que lhe provocava dor nas costas e nos braços.

A ideia de entrar em contato com a PM surgiu depois de uma ação dos policiais, em maio, arrecadando cestas básicas para quase 30 famílias carentes da cidade, inclusive a de Micaely foi contemplada com a doação dos alimentos. O policial, na ocasião, disse que a população sempre poderia contar com eles, e a menina decidiu, então, escrever a cartinha.


Pai cria filha sozinho, depois de mãe com depressão pós-parto abandoná-los. “Vamos nos manter firmes”

Artigo Anterior

Mulher paga R$ 25 mil para ter filho depois dos 40. “Ele tem síndrome de Down, mas eu não mudaria nada”

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.