5min. de leitura

“Preocupe-se com o que os outros pensam e você será sempre prisioneiro deles”

Você acha que coloca limites de forma saudável? Como saber?


Como a gente identifica se coloca a cerca no limite certo do próprio terreno emocional? Se o cansaço bate todos os dias, se a ansiedade ou a angústia andam muito próximas na sua vida, esses são alguns sinais de que o limite colocado em algo não está bom.

Eu compreendo quando você pensa: é muito fácil falar!

Já pensei assim também, por isso estudei por muitos anos e continuo estudando todas as melhores soluções rápidas e baratas para a melhoria de nossa saúde mental, emocional…


Às vezes, a gente tenta de tudo, pega um monte de métodos diferentes que deram bons resultados com um amigo, um parente, um vizinho, mas nós somos únicos e o que dá certo vem de dentro e é gratuito.

A questão toda está em aproveitar o poder que temos no nosso cérebro e no nosso coração. Precisamos treinar nosso cérebro para colocar limites e alimentar bem nosso coração.

Esse é o segredo! Agora vamos ao caminho que precisamos percorrer.

1. A primeira etapa da jornada é a aceitação. Preciso entender que tenho dificuldade de colocar limites, aceitar e verificar a causa.


Normalmente, temos essa dificuldade por querer agradar a todos, por termos necessidade de aprovação, por medo de colocar limites e o outro não gostar… Pode ser um comportamento vindo lá da infância, quando conflitos foram dolorosos e levamos isso para o resto da vida, se não ficarmos ligados.

Lao Tzu dizia: “Preocupe-se com o que os outros pensam e você será sempre prisioneiro deles.”

O maior problema de querer agradar aos outros é que, depois de um tempo, vem a frustração, o ressentimento, a mágoa, pois o outro não corresponde ou não se comporta como você planejou…

É importante sempre ter consciência do que a gente consegue ou não, fazer perguntas para si, como: por que estou fazendo isso? Quero fazer isso agora? Isso me faz bem ou mal?, faz com que estejamos presentes, com consciência na situação. Por incrível que pareça, isso é um passo enorme para a resolução desse problema.


2. A segunda etapa é determinar a quem você vai realmente querer agradar. Para alcançarmos metas, precisamos definir o caminho. Coloquemos nossas metas sobre quem e em que realmente vale a pena investir nossa energia.

Tome consciência de que você é a única pessoa que vai estar com você até o último dia de vida, por isso, cuide melhor de você mesmo. A respiração correta, que leva à coerência cardíaca, em que os seus pulmões “massageiam” o seu coração, é uma grande aliada.

Outra técnica fantástica, agora para liberar químicas cerebrais boas, é a “foto da memória” que mostro no vídeo. É um exercício de efeito instantâneo!


3. Colha os resultados. Assim que você aceitar seu problema em colocar limites e parar de ir contra ele, já deixa de perder força e energia desnecessárias. Ao ter consciência do que faz bem ou mal e, de quem ou o que você vai investir sua energia, você já deixa muita da energia que estava indo “pelo ralo” com você.

Ao cuidar do seu cérebro e do seu coração, você investe na sua inteligência emocional, tomando decisões melhores, olhando as coisas sob novos ângulos de visão…

Invista nessas dicas fáceis, veja os resultados e seja muito mais saudável e feliz!

 

Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.