Notícias

Preso homem que teria ‘entregado’ vítimas a pistoleiros em chacina na fronteira

Policiais paraguaios prenderam na noite desta terça-feira (12) mais um homem suspeito de colaborar com a morte de quatro pessoas, em Pedro Juan Caballero, na fronteira entre o Brasil e o Paraguai.



Entre as vítimas, estava a filha do governador do estado de Amambay, no Paraguai. Nos últimos dias, seis brasileiros foram presos suspeitos de envolvimento no atentado e serão expulsos do país.

Na operação, também foram apreendidos três carros com documentos brasileiros referentes a outros três automóveis, celulares, joias e um recipiente com 74 gramas de maconha, segundo nota da autoridade do país vizinho.

No domingo, outro brasileiro já havia sido preso após uma perseguição que envolveu policiais paraguaios e brasileiros e que resultou também na apreensão de um veículo que pode ter sido utilizado nas execuções de sábado.


De acordo com o subcomandante da Polícia Nacional do Paraguai, Jorge Vidallet, o paraguaio Derlis Javier Lopez Arce aparece nas imagens gravadas por câmeras de segurança sinalizando para a caminhonete,de onde os pistoleiros desceram e atiraram nas quatro vítimas, ferindo outras três.

Ele teria apontado aos pistoleiros que as vítimas estavam se dirigindo até o veículo onde foram mortas.

Foram mortos, na cidade de Pedro Juan Caballero, os paraguaios:

•Haylee Carolina Acevedo Yunis, de 21 anos. Filha de Ronald Acevedo, governador de Amambay, no Paraguai, foi atingida por seis tiros.


•Omar Vicente Álvarez Grance, de 32 anos. Conhecido como “Bebeto”, foi atingido por 31 tiros.

E também as brasileiras:

•Kaline Reinoso de Oliveira, de 22 anos. Natural de Dourados, foi morta com 14 tiros e

•Rhamye Jamilly Borges de Oliveira, de 18 anos, morta com 10 tiros.


A polícia paraguaia chegou a anunciar a morte da brasileira Raphaelli Alves do Nascimento, mas voltou atrás. A vítima está consciente e foi transferida para outro hospital.

Vereador morto a tiros

Outra vítima de execução na fronteira entre Brasil e Paraguai foi o vereador Farid Afif (DEM). Ele foi executado a tiros enquanto passeava de bicicleta em Ponta Porã, Mato Grosso do Sul (veja vídeo). A cidade faz fronteira com Pedro Juan Caballero, onde os demais crimes aconteceram. Segundo a investigação, o assassinato do vereador não está relacionado às outras quatro mortes.

Policial assassinado


O policial paraguaio Hugo Ronaldo Acosta, de 32 anos, foi morto a tiros na noite de terça (12) na região de fronteira entre Brasil e Paraguai. O crime foi registrado em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha a Ponta Porã (MS).

Segundo informações da polícia à imprensa local, Hugo Ronaldo Acosta foi executado dentro do carro a caminho da região de Cruce Bella Vista. De acordo com Carlos Miguel López Russo, diretor de polícia do Departamento de Amambay, este é o segundo policial assassinado no departamento.

Novo desafio do TikTok pode causar asfixia e pneumonia

Artigo Anterior

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.