Pessoas inspiradoras

Professora solidária presenteia aluno com par de sapatos novos e ele doa para madrasta que trabalha a pé

Foto: Freepik
profcapa

O menino de 13 anos voltou a usar os tênis rasgados somente para deixar os novos com sua madrasta!
A quantidade de famílias que vivem na pobreza e miséria durante a vida, infelizmente, ainda é grande. Só no Brasil, segundo o G1, em 2020 o país tinha mais de 14 milhões de famílias em situação de extrema pobreza inscritas no Cadastro Único, de acordo com o balanço divulgado pelo Ministério da Cidadania.

Por outro lado, na Argentina também há casos assim. A história do jovem de 13 anos, chamado Ciro, impactou a vida das outras pessoas. Segundo o Los Andes, tudo começou quando Ciro estava na escola, quando sua professora Valéria Juri percebeu que seus sapatos estavam rasgados e decidiu presenteá-lo com novos pares. No dia seguinte, porém, o menino continuava com os sapatos antigos, dizendo que tinha doado para a madrasta ir trabalhar.

Na escola Tierra de Huarpes, em Guaymallén, na Argentina, a professora Valéria, que também é mãe de dois meninos, ensina a sexta e a sétima série. Ela conta que os professores sempre observam os pés das crianças para verificar se precisam de novos calçados, assim, quando Ciro apareceu para estudar com os tênis desgastados, ela sabia o que precisava fazer.

Screenshot 18 6

Direitos Autorais: Reprodução/Arquivo Pessoal

Como sempre pedia ajuda da comunidade, onde há muitas pessoas solidárias e comprometidas, imediatamente Valeria Juri iniciou uma campanha. A corrente de solidariedade ajudou Ciro, que mora em um assentamento próximo a escola e também vem de família carente. O menino ganhou da professora um novo par de tênis para ir à escola com mais conforto.

Feliz com os sapatos novos, Ciro foi para a casa, mas no dia seguinte voltou com os tênis antigos e rasgados. Valeria percebeu e questionou o garoto sobre o que tinha acontecido para ele ter voltado a usá-los. Para sua grande surpresa, Ciro respondeu que tinha preferido dar os tênis para sua madrasta, pois ela costumava fazer “bicos” a pé e precisava dos pares mais do que ele.

Imagem 1 Professora solidaria presenteia aluno com par de sapatos novos e ele doa para madrasta que trabalha a pe

Direitos autorais: Reprodução Facebook / Valeria Juri

Emocionada com a história de Ciro, a professora saiu imediatamente para procurar outro par de sapatos, mas não somente isso, como também agasalhos e meias. Conforme o Los Andes, Valeria diz que seu filho que o leva à escola e sempre fala que a casa parece uma “sede da Cáritas” (uma confederação humanitária que ajuda pobres e oprimidos), pois há malas de roupas para doação por todos os lados.

O inverno e as famílias carentes

Ainda de acordo com o Los Andes, a professora conta que amava o inverno, mas tudo mudou quando começou a trabalhar nas salas de aulas com crianças tão carentes e às vezes até sem-teto. Depois que percebeu como o frio é doloroso para muitas famílias e como o verão é o melhor “abrigo” às pessoas pobres, ela iniciou um trabalho: a doação de tênis, moletons e agasalhos para estas pessoas.

Valeria Juri também diz que, infelizmente, essa triste realidade na época do frio se repete em vários lugares, por causa da pobreza e do desemprego, que castiga grande parte das famílias de Mendoza, na Argentina. Por isso, afirma que é preciso que os professores tenham esse olhar sensibilizado para com seus alunos, buscando sempre ajudá-lo quando precisam. Como mãe, ao longo dos anos, Valeria percebeu que sua vocação era muito mais do que apenas ensinar, mas também se colocar no lugar das crianças e famílias da escola.

Imagem 2 Professora solidaria presenteia aluno com par de sapatos novos e ele doa para madrasta que trabalha a pe

Direitos autorais: Reprodução Facebook / Valeria Juri

História de Ciro

O menino de 13 anos mora em uma casa precária no bairro Paraguai, junto com o pai, a madrasta, que considera como mãe, e os irmãos. Depois de uma experiência ruim com a mãe biológica, que tinha problemas com drogas, Ciro mudou-se para esse lugar com os outros membros da família. Além disso, a Equipe Técnica Interdisciplinar ainda está avaliando a guarda definitiva do menor.