Notícias

Professores vão à escola de saia depois de um aluno ser expulso injustamente

professores vao

Os professores de todos os cantos da Espanha se juntaram em uma causa, nomeada “Roupas Não Têm Gênero (#LaRopaNoTieneGenero). Todos eles decidiram utilizar saia na sala de aula.



O movimento começou quando um aluno chamado Mikel Gómez, de apenas 15 anos, foi expulso e forçado a visitar um psicólogo depois de usar saia na escola.

O adolescente denunciou o ocorrido por meio de sua conta no TikTok, muito famoso entre os jovens. No vídeo, Mikel explica que a ação foi em apoio ao movimento feminista, às pessoas trans e contra o bullying. Além disso, Gómez ressaltou que usar saia não torna nenhum homem hétero em gay.

O vídeo do aluno gerou uma movimentação nacional em torno da pauta. Centenas de adolescentes passaram a comparecer em suas escolas utilizando a vestimenta.


Um professor de matemática, chamado José Piñas ficou emocionado com a história de Mikel e decidiu seguir o exemplo dos alunos, adotando a peça de roupa. “Há 20 anos sofri perseguições e insultos por minha orientação sexual no instituto onde agora sou professor”, denunciou Piñas nas redes sociais. “Quero me juntar à causa do aluno Mikel, que foi expulso e mandado ao psicólogo por ter ido para a aula de saia.”

Assim, o movimento foi tomando proporções maiores e diversos professores de toda a Espanha assumiram a causa. Manuel Ortega, de 36 anos, e Borja Velúquez, de 37, que lecionam na escola primária Virgen de Sacedón, em Valladolid decidiram usar saias todos os dias do mês de maio em apoio a um de seus próprios alunos vítima de homofobia.


“Uma escola que educa com respeito, diversidade, coeducação e tolerância. Vista-se como quiser! Nós nos juntamos à campanha #clotheshavenogender”, escreveu Ortega em sua conta no Twitter.

Os dois professores contaram que notaram uma mudança positiva perceptível no comportamento dos alunos desde que começaram a usar as saias. Entretanto, eles deixam claro que esses resultados são apenas “a ponta do iceberg” e dizem que a escola deve fazer mais para promover o respeito e a tolerância na sala de aula.

Após 26 dias internado, delegado Marcelo Hercos morre em hospital

Artigo Anterior

Garoto de 6 anos morre atropelado ao atravessar pista para ir ao encontro do pai no Ceará

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.