publicidade

Proporcione aos seus filhos mais realidade, leitura de mundo, dê-lhes um quintal para explorar!

Eu cresci vivenciando um quintal que para mim era gigantesco, era o meu mundo, lá ninguém me ensinava nada, eu apenas vivia, eu tinha espaço para ser.

Com os pés no chão, cabelos ao vento, sempre estava a correr, subindo e descendo árvores, lidando com os animais, comendo fruta do pé, sempre com os joelhos ralados, mas com o coração feliz. Eu era uma “menina do buxão”, que é como se chama criança arteira lá pras banda onde nasci!



Lá eu aprendi que saia fogo do céu de vez em quando, e água também, e o estrondo que esse fenômeno reverberava era assustador, mas com o tempo eu já conseguia perceber que depois ficava tudo bem, pois eu via que os matinhos ao redor da minha casa ficavam mais verdes, e tinha uma terra lá na beira do rio que ficava molinha e dava para afundar os pés dentro, até chegar no joelho!

Eu aprendi de onde vem o “bicho da goiaba” quando percebi que seres voadores gostavam de saboreá-la também!

Eu descobri que, antes da manga crescer, nascem flores bem cheirosas!

Descobri que antes de chover pode fazer um calor danado, e eu adorava a brisa fresca depois da chuva!

Aprendi que os animais podiam me machucar, apenas quando eu inocentemente invadia seu espaço, embora, às vezes, eu achasse que eles é que invadiam o meu!


Vi também que alguns podiam me alimentar, como as maravilhosas galinhas que sempre comiam milhos rapidamente no terreiro, e depois colocavam ovos deliciosos!

Lá eu percebi facilmente que a lua mudava de tamanho e que as nuvens, muito enxeridas, às vezes, cobriam as estrelas!


Doces foram esses tempos em que eu olhava para o horizonte e achava que o mundo terminava onde minha visão alcançava, e que se eu fosse até lá, eu poderia tocar o céu!

Foram vários verões e invernos percebendo as mudanças daquele cenário vivo, raras vezes um adulto precisava me falar muita coisa. Assim eu aprendi a viver as estações do ano. Pura magia!

Eu tinha o meu próprio jeito de ler tudo, estava sempre atenta! Eu aprendi a ler o mundo!

E esse foi o início de tudo! E quer leitura mais essencial? Usando as palavras do mestre Paulo Freire: “A leitura do mundo antecede a leitura da palavra.”

Foi no meu quintal que eu aprendi a ler e interpretar as coisas que eu via! E uma interpretação só é boa quando podemos sentir, compreender a realidade que está no nosso entorno, assim aprendemos a ler outras realidades, outros mundos.

Ficamos mais abertos ao mundo do outro, quando percebemos que o horizonte vai além do que imaginamos, um livro, um filme, a história que uma pessoa conta fica mais fácil de entender!

Quando aprendemos a ler o nosso mundo, qualquer palavra fica fácil, qualquer realidade fica fácil de aceitar, pois o mundo é o que é, um lugar de intensas aprendizagens, e não só na infância mas, a vida inteira!

Vivenciar um quintal é encontrar nossa própria essência, experimentando a liberdade de ser!

O contato com a terra é uma oportunidade para que os nossos pequenos experimentem ser livres, o encontro com suas raízes, a leitura do mundo além de quatro paredes, a oportunidade de ler o que é real e simples! Só assim teremos seres realmente humanos e integrados!

“Fui alfabetizado no chão do quintal de minha casa, à sombra das mangueiras, com palavras do meu mundo, não do mundo maior dos meus pais. O chão foi o meu quadro-negro; gravetos, o meu giz.” FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler. São Paulo: Cortez, 1982.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF/altanaka.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.