Qual a idade certa para aprender a lidar com as frustrações?

Quantas pessoas já passaram na sua vida até hoje? Você consegue chegar a um número exato? Quantas dessas pessoas ficaram?

Você provavelmente já viveu coisas incríveis até aqui; algumas boas, outras nem tanto, mas são inúmeras as lembranças que ficaram.  Consequentemente, muitas situações devem ter acontecido inesperadamente durante sua vida e talvez você não estivesse pronto para lidar com elas.



Você teve algum professor para ensinar a lidar com tudo que você já viveu e sentiu até aqui?

Se você respondeu que não, você está errado! Talvez você ainda não tenha entendido como esse professor trabalha, mas uma hora vai entender o método de ensino dele.

O nome desse professor é Tempo e ele tem várias ferramentas para lhe ensinar as lições da vida. Ele pode usar segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses, anos e diversas outras medidas para você entender o significado e o valor das coisas.


A grande verdade é que o tempo é diferente para cada pessoa e um dos maiores erros que a gente comete é querer forçá-lo a ser como gostaríamos que fosse.

Nós temos, sim, algumas bases e precisamos tomar o devido cuidado para não generalizar a partir disso.

Aprender a andar, por exemplo, tem uma base de tempo. Os especialistas determinam que até 3 anos de vida o ser humano já é capaz de andar com confiança, sem bambear. Todo o desenvolvimento motor tem uma base de tempo para acontecer, mas o que podemos dizer sobre o desenvolvimento pessoal?


Com quantos anos você aprende a amar? A perdoar? Qual a idade certa para aprender a lidar com os problemas que a vida apresenta? Alguém lhe contou quando é que você deve estar pronto para ter decepções na vida?

Essas situações não têm idade certa para acontecer, mas você pode ter certeza de que elas vão acontecer e não há nada que você possa fazer para impedir isso.

Para tentar simplificar, pense no seguinte: você funciona exatamente como uma escola ou uma faculdade. Algumas matérias ou disciplinas você tem mais facilidade e gosta de fazer, mas há aquelas que nem com reza brava você entende, certo?

Você é assim também, dividido por “matérias”. Você tem as matérias primárias que envolvem os sentimentos como raiva, paixão, frustração, gratidão, ansiedade, amor, medo, calma, tensão, entre outros. E tem as matérias secundárias como família, carreira, estudos, filhos, amigos, relacionamentos, saúde, lazer, entre dezenas de outras coisas que você precisa aprender a lidar para conseguir levar a vida sem tanto estresse.

Hoje em dia, as pessoas têm acesso gratuito e online sobre autoconhecimento, desenvolvimento pessoal, motivação, relacionamento entre outros temas que são fundamentais para ajudar nos processos mais complicados que a vida nos traz. Mas muitas pessoas acabam sem ler, sem estudar e permanecem num estado emocional aflitivo e devastado por problemas.

O ideal é sempre prevenir, ao invés de remediar, como já aprendemos há muito tempo, e uma das coisas mais certas sobre amenizar as consequências das frustrações e desgostos da vida é conhecer a si mesmo.

Por que você não começa agora mesmo a ler sobre autoconhecimento, por exemplo?

Uma outra sugestão é que você assista a vídeos que o motivem a aprender sobre você e que o encham de coragem para fazer as mudanças que são necessárias para melhorar a sua vida.

Estar rodeado de pessoas positivas que o impulsionam a ser melhor a cada dia também é uma forma de desenvolver ao máximo o seu potencial.

Não adianta tentar mudar o outro ou ficar esperando que as mudanças ocorram somente no externo. Cuidar de si mesmo é o primeiro passo para entender o real significado do amor-próprio.

Não existe uma idade certa para entender e enfrentar as nossas próprias emoções, mas você pode começar a se preparar agora mesmo e ter mais sucesso em todos os campos da sua vida.

Agora é com você!


Direitos autorais da imagem de capa: wallhere.com / 1169508

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.