“qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas ao ponto de tocar os infernos”.

Como já disse Jung: “qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas ao ponto de tocar os infernos”.

A verdade, de verdade? Tem certeza? Hoje em dia, pregamos a supervalorização da verdade, como a salvação da alma e a elevação do orgulho próprio, ao dizer que “só falo a verdade, odeio mentira”. A tranquilidade de estar com o “lado direito de Deus” garantido, só é alcançada por aqueles que estão no caminho do bem, o qual é permeado apenas de honestidade e, consequentemente, da verdade.



Todos preocupados com a salvação de nossas almas, em um mundo de regeneração!

Só que a verdade das pessoas não é linda o tempo todo. Aí criou-se a verdade politicamente correta: você diz a verdade que é bonita aos ouvidos alheios. A verdade feia, você guarda para você. Quem diz a verdade integralmente, é tido como inconveniente, azedo, chato, amargo, problemático, desagradável.

Você só diz a verdade sobre os momentos em que está cintilando de alegria, em plena comunhão com o belo, o sagrado e a felicidade. Nos momentos em que sua essência está tomada pelo feio, pelo sacrilégio e pela amargura, você se omite. E se esconde. E finge. E, enfim, se deprime e adoece.


Precisa, então, vestir uma máscara na qual você aparenta estar vivendo uma verdade falsa. E isso não seria mentir? JAMAIS! Isso é apenas manter a positividade diante dos problemas.

A livre expressão deixa de ser livre, e se torna reprovável. A verdade feia incomoda. A pessoa que aceita e expõe a verdade feia, faz com que as outras se afastem, pois é a prova de que a felicidade plástica e eterna é mentirosa, então é melhor o distanciamento, sob a desculpa de que a pessoa é muito “negativa”.

Deixa eu te contar uma coisa: não é porque ela tem uma energia ruim, mas sim porque ela te faz parar para pensar em coisas das quais você foge. E quando você encara o mundo consciente de que ele também tem verdades feias, você fica triste. E prefere uma felicidade falsa e incompleta, do que momentos de tristeza e a plenitude da verdade real. O mundo não está preparado para a verdade verdadeira. Ela é feita de alguns momentos felizes e muitos momentos que exigem mudanças, adaptações, choros, trabalho, suscitam muitos sentimentos difíceis.


Mas quem se entrega a todos os momentos, sejam eles felizes ou tristes, é politicamente incorreto. Quem vive a sua verdade plenamente, incomoda.

Quando as pessoas aceitarem as sombras do mesmo modo que aceitam a luz, certamente as animosidades e a depressão serão coisas do passado.

Como já disse Jung: “qualquer árvore que queira tocar os céus, precisa ter raízes tão profundas ao ponto de tocar os infernos”.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.