Quando a dignidade é ferida, o coração não para de dar palpites

Se a nossa dignidade está em jogo, o coração não deve dar palpite. O coração só enxerga aquilo que lhe convêm, ele vai se apegar àquela migalha de carinho que recebemos há meses para justificar a permanência de um parceiro tóxico em nossa vida.

Determinadas decisões exigem o pulso forte da razão, pois ela sabe pesar tudo, os prós e os contras envolvidos numa relação. A razão não vai justificar as posturas desrespeitosas do seu parceiro, nem romantizar os abusos, é tudo preto no branco.

A emoção é mestre em fazer vista grossa ao que não devia ser tolerado. O parceiro grita contigo, mas você tenta justificar dizendo que foi porque ‘ele estava nervoso’. Dessa forma, a pessoa vai se empanturrando de ressentimentos e de mágoas e, a autoestima vai se fragmentando cada vez mais.

Há situações em que enxergamos todas as razões para sairmos da vida de uma pessoa, mas continuamos ali, como uma aranha na teia, inertes.

A gente se abandona, permitindo que o outro nos trate da pior forma possível.

O outro percebe, em cada permissão nossa, que pode deitar e rolar sobre a nossa dignidade, ele já está acostumado a contar com o nosso perdão.

No fundo, quando estamos em dúvida sobre romper ou não um vínculo, já temos a resposta. Isso acontece quando o respeito foi embora ou, quando a fidelidade e a lealdade já não fazem parte do pacote. Chega um ponto em que passamos a sentir saudades da pessoa, estando ao lado dela. Aquela pessoa do início da relação já não existe mais, ela já não mede as palavras e, já não se importa se a atitude dele feriu, passando a priorizar o orgulho e a soberba.

Acredito que muitas pessoas insistem em permanecer ao lado de quem as machuca, na esperança de que o parceiro, num passe de mágica, volte a ser a aquela que nos encantou um dia.

É isso, se vai doer, que doa logo de uma vez! Não podemos permitir que as nossas ilusões nos convençam de que é possível tirar leite de pedra.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF/Imagensa



Deixe seu comentário