5min. de leitura

Quando a necessidade de valorização se transforma em um vírus capaz de prejudicar outras pessoas…

Quando a necessidade de valorização inflama a vaidade, enaltece demais o Ego e se transforma em um vírus capaz de prejudicar outras pessoas…

A primeira coisa que me vem à mente quando penso nesse tema é: ninguém é feliz sozinho! Importante salientar que não estou falando de relacionamentos entre casais, ou relacionamento íntimo, no qual ouvimos algumas vezes o tradicional: “antes só do que mal acompanhado” mas sim, do relacionamento entre seres vivos, mais precisamente entre seres humanos em um contexto social.



O quarto poder (a mídia) trouxe consequências maravilhosas para a sociedade moderna, mas, na bagagem, também trouxe as suas mazelas. A proposta está longe de uma abordagem política/social do tema, podem ficar tranquilos!

Com tanta tecnologia tudo ficou mais fácil: fazer uma campanha beneficente, ajudar a encontrar alguém, a adotar um animal, a vender produtos, a trocar experiências nas áreas de alimentação e saúde, dicas de beleza etc., tudo parecia tão perfeito se não fosse o tal vírus da necessidade de valorização.

Ele contagiou boa parte da espécie humana e espalhou uma vaidade exacerbada capaz de transformar aquele grande amigo em seu pior inimigo!

Esse vírus é tão potente que coibiu a alegria que sentíamos em compartilhar uma conquista, um sonho, nossos projetos, nossos planos e nos colocou com uma máscara protetora que nos cala por precaução, pois não sabemos mais se podemos confiar.


Se aquela pessoa não vai nos contaminar com esse vírus e derramar a inveja, desamor e a maldade, atrapalhando a nossa vida a todo custo, pois no final nos sentimos descontentes e completamente sem energia sem sabermos o porquê.

Como todo vírus, esse também é invisível a olho nu. É necessário muita habilidade e experiência para detectar alguém contaminado.

As pessoas portadoras geralmente se apresentam saudáveis e bem dispostas, fingem ser amigas, querem saber de sua vida nos detalhes, conhecer as suas fraquezas para depois de alguma maneira tentar te apagar. A grande disputa na realidade não é para se aprofundar em alguma causa importante, elas não têm tempo, vontade e geralmente nem competência para isso, a disputa se perfaz para que ela não saia do foco dos holofotes e dos minutinhos de fama que as mídias sociais favorecem. O negócio agora são os números de “likes”! Esses são os únicos termômetros de uma pessoa contaminada pela necessidade de valorização.

Como para percebê-las é preciso muita habilidade e cautela e o que é pior:  esse vírus também sofre mutação, precisamos ficar alertas para alguns sintomas que já são conhecidos, tais como: essas pessoas geralmente copiam você ou tentam copiar; de uma hora para outra ficam muito íntimas e se preocupam demais com você; tinha uma outra vítima antes; são carentes no íntimo, porém revestem-se de super fortes; falam muito de si mesmas, de suas habilidades e títulos; se fotografam demais etc.


É importante ressaltar que não podemos nos entregar a essa completa inversão de valores que vivemos na atualidade e passarmos a julgar todas as pessoas que se aproximam da gente com o comportamento supramencionado, como se quisessem sempre nos prejudicar. É por isso que é tão sutil e difícil detectarmos essas pessoas! Porém, não podemos esquecer que a regra é a admiração, a parceria, a compaixão, a amizade, a fraternidade e o amor.

Esse alerta é somente para nos protegermos das pessoas transvestidas de “amigos” que se aproximam da gente somente para pegar carona na nossa energia e estrear no nosso palco da vida, sapateando com os nossos saltos, espalhando o seu vírus de inveja, maldade e solidão!


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: pressmaster / 123RF Imagens

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

* Matéria atualizada em 23/03/2018 às 3:51






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.