5min. de leitura

Quando abrimos o coração para o outro, tiramos um pouco o peso da vida de nossos ombros

Não é novidade para ninguém que a quantidade excessiva de pensamentos e dúvidas que carregamos muitas vezes faz com que a vida pese um pouco mais do que deveria.


É claro que não seremos sempre leves e felizes, mas viver o tempo todo com um peso maior do que suportamos carregar não é nem um pouco saudável.

O processo de abrir o seu coração para o outro

Sou naturalmente mais introspectiva e, por diversas vezes, simplesmente guardo os meus pensamentos comigo, por medo de ser julgada ou mal compreendida, e justamente por isso tento conversar mais com as pessoas sobre o que sinto e vivo.

Recentemente, abri o coração para alguns indivíduos do meu círculo social e foi realmente incrível a sensação que me veio depois de todo o desabafo.


Pode colocar na conta mais de três, quatro, cinco horas de ideias trocadas. Costumo começar o papo com certo receio, mas depois que me dou conta de que um bom diálogo foi estabelecido, o medo de ser mal compreendida passa e começo a, de fato, falar sobre tudo.

Nas semanas que passaram fiz esse exercício com ex-chefes, colegas de trabalho, mentores, familiares. No final de absolutamente todas as conversas senti apenas uma coisa: leveza.

Senti que estava tudo bem ter tantos questionamentos, angústias e medos. Era como se aquelas conversas fossem uma confirmação de que, quando colocamos nossos pensamentos para fora, eles perdem um pouco o peso e a dimensão que têm em nossa cabeça (principalmente quando ficam dentro de nós em um looping infinito).


Estamos sozinhos, mas a jornada pode ser construída em conjunto

Por mais que tenha sido maravilhoso ter alguém com quem compartilhar o que sentia, é claro que não deixei de me sentir sozinha em alguns aspectos. Aliás, aprendi isso em uma dessas grandiosas conversas: infelizmente, uma das verdades mais absolutas que existem sobre a condição humana é que estamos sozinhos. Por mais que tenhamos pessoas ao nosso redor e possamos, sim, contar com elas, no fim do dia somos nós com nós mesmos.

Nós somos responsáveis por quem somos, nossas decisões e ações. E mais: não deveríamos esperar o tempo todo pelo apoio, aprovação e olhar positivo do outro.

Não é fácil nem simples aceitar, mas é verdade. Precisamos estar prontos para encarar este fato.

Não me entenda mal. Apesar de, sob o meu ponto de vista, esta ser uma verdade inegável, isso não significa que não podemos contar com os amigos, colegas e familiares nos momentos em que precisamos.

Significa apenas que, independentemente de termos o suporte, abraço, palavra ou consolo deles, no fundo precisamos estar preparados para, de certa forma, lidarmos com as situações sozinhos.

Afinal, a vida é nossa. As escolhas são nossas. As ações são nossas.

Como grande conclusão, todas essas conversas me trouxeram muitas histórias e conselhos. Por isso tudo eu sou eternamente grata. E sou ainda mais grata por estar finalmente criando a consciência de dois fatos , na minha opinião, imutáveis.

Primeiro que aprender a abrir o seu coração para os outros pode ajudar a tornar a sua jornada mais leve.

Segundo que, independentemente disso, é preciso estar pronto para lidar com o sentimento de solidão que nos aflige de vez em quando. Talvez ele nunca deixe de existir. E está tudo bem.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF Imagens.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.