ColunistasPais e Filhos

Quando a alma entra no corpo…

Quando a alma entra no corpo

Existem várias teorias a respeito desse fato, mas o que todos devem concordar é que nosso corpo tem algo além de ossos e músculos, e esse algo é o que nos dá vida.



Hoje quero compartilhar com você minha experiência de quando eu estava grávida da Victória. Desde o momento da concepção sabíamos que estava acontecendo algo muito diferente ali.

Conforme a gestação foi avançando, eu percebi que já estávamos ligados antes, de alguma outra forma.

Eu e Henrique namoramos de 2009 a 2012, muito harmoniosamente, mas chegou num momento em que eu fiquei insatisfeita, eu queria casar no papel e ter filho, entretanto, ele não quis. A gente se separou, e ele partiu, pois morávamos a 400 km de distância. Ele se sentiu traído porque eu mudei de ideia. E eu o achei um “sem atitude”.


Ele era o homem da minha vida, meu par perfeito, mas eu tinha que fazer aquilo, eu tinha que ser fiel a mim mesma.

Depois ele voltou e disse “Não, tudo bem, você tem razão. Eu estava com medo, vamos assumir, vamos casar, vamos ter filho, vamos ter uma família, e é isso aí, a vida acontece com várias coisas juntas”. Porque ele alegava que tinha que terminar o doutorado primeiro, e eu dizia que a vida era tudo junto: é fazer doutorado, é conseguir emprego novo, é ter filho, é fazer faculdade, é postar vídeo no Youtube, é escrever livro, artigos, enfim, é crescer junto. Se você quer progredir, quer melhorar, é assim.

E vamos indo. Um degrau por dia, um dia de cada vez.

E desde esse momento em que a gente se determinou a ter um filho sentimos: “Nossa, os anjos estão por aqui tem alguém querendo nascer”. E eles, os anjos, conseguiram convencer o pai, porque eu já estava convencida. Eu que nunca na minha vida quis ter filho, acordei e falei “Não, peraí, tem alguma coisa desconectada. Eu sou normal, ele é normal, por que não? Eu sinto que isso vai melhorar a nossa vida como ser humano”. Detalhe: eu tinha 42 anos e engravidei naturalmente. E mesmo com uma gestação estressante por motivos profissionais, Victória nasceu serenamente, num momento mágico, em casa, somente na presença do pai.


Eu acredito que a melhor ferramenta para se desenvolver como ser humano é você ter um parceiro(a), e talvez um filho se desejar. Porque ser evoluído em momentos de paz é muito fácil, eu quero ver você ficar em paz em momentos de guerra.

E voltando à concepção, eu sentia que já existia um processo anterior, porque essa alma vem de algum lugar e se ligou a nós por sentir afinidade. E conforme a criaturinha foi se desenvolvendo no meu ventre, eu percebia o quanto estávamos ligados, porque a cada dia que passa eu sinto pelo nosso relacionamento de pai, mãe e filha, como faz sentido estarmos juntos.

Hoje eu resolvi me expor e contar um pouquinho da minha história pra te ajudar a refletir na importância que tem a sua alma no lugar em que você se encontra hoje, com as pessoas que se relaciona. Principalmente os mais próximos, porque nada é por acaso.

A escolha é essencial. Na sua história eu tenho certeza que existem momentos que lhe mostrarão onde estão as coisas que você veio curar, e tudo isso somente acontece, a magia do amor fica real, quando vemos com outros olhos nossos desafios.


Já pensou que você pode ser um ser espiritual numa experiência corpórea e não um corpo numa experiência espiritual??

Desejo um lindo dia e até o próximo artigo!! Um beijo!

Simoni Venturin

_____


Direitos autorais da imagem de capa: halfpoint / 123RF Imagens

10 “falhas” de personalidade que mostram que você é uma pessoa muito melhor do que pensa ser!

Artigo Anterior

5 sinais de que você está no limite de um burnout:

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.