publicidade

Quando continuamos nos decepcionando com a mesma pessoa, a culpa nem é mais dela

Com a passagem do tempo, com os limites de ambos já explícitos e entendidos, decepcionar-se terá outro peso: o peso do amor-próprio.



Nenhum relacionamento é fácil, seja amoroso, de amizade, de trabalho, seja qual for. Dois mundos se encontram, duas visões de vida e dois universos, muitas vezes opostos. E então tudo isso tem que caber em um mesmo ambiente, e então vêm os choques, os percalços, as dicotomias, os desencontros. Caso ninguém abra mão de nada, tudo desaba.

Ninguém consegue relacionar-se com o outro, caso queira que prevaleça somente o seu lado, as suas ideias, as suas vontades. É preciso aparar arestas, é preciso diálogo constante e, sobretudo, é preciso se colocar no lugar do outro. É preciso enxergar a si mesmo com os olhos do outro, porque ele é parte importante nisso tudo. Quando nos relacionamos, não estamos mais sozinhos e isso requer olhar para fora e escutar vozes que não a sua.

Até que ambos possam se alinhar e se conhecer melhor, é normal haver desavenças e discussões, porque é assim que os limites se colocam, é assim que as verdades vêm à tona.

A gente não se mostra de início, ou seja, é caminhando junto que a gente vai ficando mais seguro para se abrir e para opinar, tanto sobre os contentamentos quanto sobre os descontentamentos. Caminhando é que os laços se fortalecem ou enfraquecem. Caminhando é que a gente vai percebendo se o outro vale ou não a pena.


Nesse caminho, logicamente, as pessoas falham, erram, cometem equívocos e se magoam. Será um dos momentos mais difíceis, porque teremos que ter o entendimento de que o outro ainda está nos conhecendo e, portanto, ainda não sabe com clareza o que pode nos machucar. Nosso papel será deixar bem claro quais sãos os limites de nossa dignidade, para que o outro possa se ajustar. Não se trata de aceitar tudo, mas de mostrar, sim, seu descontentamento, dando nova chance, se possível.

No entanto, com a passagem do tempo, com os limites de ambos já explícitos e entendidos, decepcionar-se terá outro peso: o peso do amor-próprio. Chega um momento em que o outro erra, mesmo sabendo que nos machucaria, mesmo já nos conhecendo bastante. Então, caberá a nós a tomada de decisão – e que seja em nosso favor, já que o outro deixou de nos olhar.

Afinal, como dizem, a partir do momento em que você continuar se decepcionando com a mesma pessoa, a culpa nem mais será dela.

 


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: Simone Pilolla/123RF Imagens.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.