5min. de leitura

Quando eu escolhi me amar

Quando eu escolhi me amar, larguei os contatinhos, exclui as expectativas e bloqueei de vez a ideia de ele ser o “amor da minha vida”. Mudei o visual, mudei minhas atitudes, mas principalmente mudei a forma de agir comigo mesma. 

O amor-próprio nasce de uma forma muito singela, muito natural, não está em querer provar para ninguém que você se ama, nem em precisar defender as suas atitudes, mas sim em respeitar o SEU tempo certo para as coisas.


O amor que aprendi a sentir não está na falta que o outro faz, nem no carinho que o outro supre, muito menos na atenção que o outro dá. Esse amor que eu encontrei, estava guardado há tanto tempo dentro de mim, que não foi fácil achá-lo novamente. Foi uma escolha! 

A gente se engana quando pensa que para nos sentirmos amadas precisamos de aprovação.

Sentir o amor está nos pequenos detalhes, nos pequenos gestos de gratidão, está no bilhete que diz “você é suficiente”! Ou na legenda sincera de que as coisas não andam bem como a gente espera, mas que tudo vai melhorar!


Sentir esse amor é poder ficar um final de semana em casa, aproveitando a sua própria e boa companhia, de pijama, largada com a xícara de café na mão.

Está no passeio pela praça da cidade, com aquele livro que motiva a gente a ser nossa melhor versão. Está no social com as amigas, bebendo vinho e falando sobre como a vida estapeia a gente e o quanto isso nos faz ser ainda mais fortes e determinadas.

Seu amor está aí dentro de você, ele quer aflorar, ele quer transbordar, pois somente depois que a gente se ama, é possível dar amor para aqueles que se aproximam de nós.

Esse é o amor leve, sem cobranças, sem críticas e com respeito e aceitação. Esse amor é dado deliberadamente, sem esperar em troca, porque você já está preenchida dele e não lhe falta nada para exigir do outro. Ele apenas soma com as suas qualidades, e os seus defeitos, nós aceitamos, pois sabemos que, assim como ele, também somos imperfeitas.


E essa imperfeição é o que nos torna únicas, é o que nos faz ser diferente das demais, são essas imperfeições que quando aceitamos deixamos de nos punir por elas existirem, que se tornam a nossa melhor versão! Sabe por quê? Porque reconhecer que elas existem não significa que você se torna essas imperfeições, pois sempre existe algo que vai compensar cada uma delas!

Cada traço do seu corpo não define quem você é, cada erro que você comete não determina toda a sua história mas a forma como você se trata e se respeita, isso sim diz muito sobre quem você se tornou!

Escolha hoje respeitar-se, acolher-se e ser a sua melhor versão. Não precisa mudar radicalmente, a mudança é gradativa, comece com um passo, depois o outro e, quando você notar, toda a sua estrutura estará restaurada e as suas bases estarão firmes, porque você é incrível, você é maravilhosa, você é perfeita dentro das suas imperfeições, porque são elas que a fazem humana, a fazem humilde e a fazem ser quem você é!

Em suma, cada uma de nós tem um brilho a ser explorado! Torne isso uma meta e descubra o potencial que existe dentro de você, assim poderemos brilhar juntas cada dia mais. 

Eu me amo, eu te amo, juntas nos amamos e nos fortalecemos. Gratidão! 


Direitos autorais da imagem de capa: wallhere / 20102





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.