4min. de leitura

Quando eu senti a sua falta…

Mesmo sentindo saudade de você, comecei a liberar espaço aqui dentro do peito pra carregar outro tipo de sentimento também. Não era mais só você. Ainda tinha muito de você em mim, claro, mas eu estava reorganizando os meus sentidos.



Em maio eu senti a sua falta. E é a única coisa que eu tenho certeza que sentia naquele mês. Juro que não lembro a sensação exata de acordar no meio da noite sem cobertor… ou da chuva tocando o meu corpo no finzinho da primavera. Não me lembro se senti o aroma do café nas tardes de domingo e das torradas recém-saídas do forno. Mas da saudade de você eu me lembro bem.

Três meses e 26 dias depois, eu senti a sua falta. Mas lembro que senti o vento bagunçar meus cabelos. Senti frio. Senti fome de um hambúrguer gigante e me acabei em fast-food na hora do almoço. Lembro-me da chuva atrapalhando meus planos. E do aroma do café com torradas.

Mesmo sentindo saudade de você, comecei a liberar espaço aqui dentro do peito para carregar outro tipo de sentimento também. Não era mais só você. Ainda tinha muito de você em mim, claro, mas eu estava reorganizando os meus sentidos.


Preciso admitir, há dois meses eu senti muito a sua falta. Olhei suas fotos na rede social várias vezes. Reli nossas últimas conversas, que nem estavam mais no celular, mas dei um jeito de fazer backup, como quem quer recuperar memórias.

Puxa, como eu senti a sua falta naqueles dias! E você não imagina a sequência absurda de coisas que fiz para fugir dessa saudade…

Assisti a seis temporadas de How I Met Your Mother em menos de um mês. Ouvi a discografia completa do PhillVeras pela enésima vez. Li Martha MedeirosTati Bernardi e Zygmunt Baumanpra ver se aprendia com eles algo sobre não sentir mais saudade. Sem sucesso.


Hidratei o cabelo mais vezes do que fui à padaria. Chorei de rir com uns memes insanos. Fiz trabalho voluntário. Dancei minha música favorita. Escrevi mais e mais textos. Plantei um girassol. Arrumei a estante de livros. Organizei um brechó.

Todos os dias, cuidadosamente, eu me preocupei em ocupar cada minuto do meu tempo. Eu queria proibi-lo de entrar no meu pensamento. E quando suas lembranças me roubavam a chave da razão, eu sentia muito a sua falta. E queria ligar para você. Desesperadamente!

No mês passado fiquei por um fio de lhe mandar uma mensagem. Digitei, respirei fundo e apaguei. Esfreguei as duas mãos no rosto e me perguntei o que eu estava fazendo. E aí tentei limpar a minha sujeira com lágrimas. Chorei. Rezei para você ir embora junto com o meu pranto.

Ontem à noite, eu senti saudade. Mas já estou tão acostumada que decidi ouvir uma canção até pegar no sono. Há gigantes que vivem em mim, e já que eu não consigo derrubá-los, posso, no mínimo, vencê-los pelo cansaço.

Com certeza a saudade de você é um deles. Saudade gigante, que eu só preciso vencer pelo cansaço.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / gorosi

Você sabia que O Segredo está no Instagram, Facebook e no Twitter? Siga-nos por lá.

* Matéria atualizada em 06/01/2019 às 6:03






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.