publicidade

Quando a gente se basta, a gente encontra com a felicidade e se surpreende com o tamanho da sua simplicidade

Quando a gente se basta, só vai trazer para perto quem também se bastar.

É sempre bom encontrar palavras de aconchego em dias de crise existencial. Ter amigos dispostos a deixarem suas rotinas insanas por uma hora para ouvirem suas lamúrias é, realmente, ser alguém de sorte. Sendo assim, sou uma garota de sorte.



Foi numa dessas crises existenciais – e muito choro, que o óbvio deu um tapa na minha cara.

Por mais que leia livros que me transformaram, conviva com gente fantástica e bem nutrida de sabedoria, o óbvio se perde no dia a dia.

Não gosto de pensar em bons conselhos, gosto de pensar em alguns pontos de vistas. Ouvir é sempre melhor que reagir. E eu ouvi em alto e bom tom: “Juliana, a felicidade é algo que precisa vir da gente!”. (Logo eu, a senhora autoconhecimento na terapia).

E por mais que a gente saiba do óbvio, não aplica o óbvio quando precisa. Vamos no piloto automático da projeção!

É mais fácil, porque se a expedição fracassar temos a quem culpar – mesmo sabendo que a responsabilidade das nossas escolhas é só nossa.


Quantas e quantas vezes jogamos o óbvio para debaixo do tapete e fazemos cara de samambaia para a responsabilidade de assumir que a nossa felicidade está em nossas mãos, no nosso dia a dia. Quando projetamos qualquer vestígio de felicidade em algo ou alguém, as chances de decepção e chateação são grandes. (Oh, o óbvio de novo).

A reação do piloto automático vem por conta do nosso ego. O ego é aquele cara que fala demais, acha demais, reage demais. Tudo nele é demais, inclusive o piloto automático em situações de frustração. Antes mesmo de nos situarmos, o ego está ali, na gritaria diária do certo e do errado.


Tomar as rédeas nem sempre é fácil, mas uma vez com elas em mãos, segure firme. Isso não significa que você terá controle sobre o externo, mas ter controle sobre nós mesmos já é um feito e tanto.

Não é o que te faz feliz, mas como me sinto feliz.

Observar nossas sensações e quais cadeias de reações são despertadas, é mais um passo grande para encontrar o eixo da felicidade. E vale dizer que felicidade não é algo tão tangível como as pessoas pintam. É necessário um bocado de vontade e observação.

Limpar debaixo do tapete exige muita coragem e felicidade. Dar luz às sombras é despertar dentro de nós curas imensuráveis. Quando curamos o ego da sua mania de ser demais, aprendemos muito sobre a real felicidade.

Aquela bem genuína que acontece nos minutinhos de descuido do dia a dia. Aquela que é silenciada pelo ego e fica escondida debaixo do tapete. A felicidade tem que ser reconhecida dentro da gente, e nesse reconhecimento aprendemos com amorosidade a não preencher essa vivência divina com coisas e pessoas.

Quando a gente se basta, só vai trazer para perto quem também se bastar. Quando a gente se basta, o nosso desejo por coisas também é colocado a prova com a pergunta que não vai calar: – preciso mesmo disso?

Quando a gente se basta, a gente encontra com a felicidade e se surpreende com o tamanho da sua simplicidade.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: janifest / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.