O SegredoReflexãoRelacionamentos

Quando o divórcio é a melhor solução!

O divórcio deve ser o plano Z, o que quer dizer isto? Quando precisamos tomar uma decisão começamos com o plano A, e quando o A não funciona vamos para o plano B, mas o divórcio deve ser o plano Z, é o último quando já esgotamos todos os outros.



Isto porque O sofrimento que traz o divórcio ou uma ruptura amorosa de muitos anos, é muito grande e as consequências são a longo prazo.

O divórcio é uma opção totalmente pessoal, apenas os envolvidos podem decidir isso, ninguém tem o direito de aconselhar alguém a tomar a decisão de divorciar-se… porque “Quem sabe do convento é quem lá vai dentro”.

Muitas vezes o que leva ao divórcio são pequenas atitudes que podem ser corregidas.  A paciência, a compreensão e a tolerância devem fazer parte de todas as relações.


A maioria das pessoas querem divorciar-se porque a outra pessoa não a faz feliz, é importante lembrar que a felicidade só depende de nós, a felicidade é interior e não exterior, ninguém nos faz feliz, somos nós que somos felizes ou infelizes. A forma como encaramos o que nos acontece é que determina isso.

Divorciar-se porque a outra pessoa não faz o que queremos não é a solução, porque nunca vamos encontrar alguém que faça tudo como nós desejamos…

Sabe quais são as maiores razões do divórcio a nível mundial?

–   Falta de comunicação


–   Dinheiro

–   Infidelidade

–   Mau feitio


  • Interesses diferentes…
  • Ciúmes
  • Insatisfação sexual

Não há companheiros perfeitos e todos merecemos uma oportunidade. Portanto a primeira pregunta que alguém deve fazer quando as coisas não estão bem numa relação é:

O que fiz EU para chegar a esta situação? O que posso fazer EU para salvar o meu casamento?

Não analise o que outro pode ou não pode fazer, o que importa é aquilo que Eu posso fazer, já que o que está em jogo é a MINHA felicidade, provavelmente a outra pessoa está bem…

Tome nota destas situações…


Muitos chegam em casa desejosos de desabafar por um dia difícil que tiveram, mas encontram um companheiro sem paciência para ouvir e atender ao seu mau humor.

Será que um pouco de paciência pode resolver este conflito?

Outro exemplo é quando alguém diz “O meu marido é fantástico! Não me falta nada com ele, mas não suporto que não me ajude em casa…”

Aqui talvez seja uma questão de entender as razões de ele não ajudar em casa, estabelecer um plano de tarefas. Comunicação!


Outra questão é que o nosso marido ou esposa nunca vão ser como nós queremos, eles são como são, devido à sua infância, à educação, as experiências que viverem, muitas coisas contribuíram para ele/ela ser como é, não vai ser você que o vai mudar.

Muitos dizem… eu gostava que ele/a fosse desta forma ou da outra, mas isso é não respeitar a forma de ser de cada um e isto não é saudável. Volto a repetir A minha felicidade e a sua não dependem do marido/ esposa, depende de mim e de você !

Portanto é absurdo culpar o outro pela minha infelicidade.

Vale a pena analisar isto, antes de optar pelo divórcio, porque provavelmente é apenas um problema no meio de tantas qualidades.


Lutar pela relação é sempre uma boa escolha, conforme a psicóloga Laura Garcia, Até a infidelidade pode ser perdoada se houver uma relação que vale a pena salvar. É preciso usar uma balança para perceber se há mais coisas boas ou más.

Mas quando é que a solução é o plano Z? 

Nestes casos…

– Infidelidade prolongada… A nossa dignidade está envolvida!


– Violência doméstica física ou psicológica

– Quando alguém chega todos os dias mal disposto a casa e paga isso com a esposa/marido ou com os filhos, deixando a todos magoados, talvez tenha problemas neurológicos e precisa de tratamento. Se esta pessoa que não está bem, e não quer tratar-se, talvez o divórcio seja a única solução.

– Vícios como droga e álcool que não permitem uma vida saudável, para nenhum membro da família.

– Abusos sexuais, para com a esposa/marido ou filhos…

Quando alguém decide divorciar sabe que tem de começar de Zero em muitos sentidos, deve ter a determinação de ser feliz com esta nova escolha, não sentir-se vítima e não usar os filhos para magoar o ex companheiro, com o divórcio termina a má relação que havia, por isso, não é saudável querer vingar-se.

A vingança traz sempre consequências muito negativas para todos os envolvidos.

Os filhos não são responsáveis pelo desentendimento dos pais, não os envolva no problema nem se meta na relação deles com o pai ou a mãe.

A escolha foi sua, não dos seus filhos. Por mais que tente usa-los para magoar o seu ex, os filhos continuarão amando os seus pais.

Não fale dos defeitos do seu ex aos filhos, cada um tem a sua versão e os seus filhos terão a deles também.

Isto é fundamental para iniciar uma nova vida cheia de novos projetos, novas escolhas. Uma vida como você merece.

A decisão é apenas sua, o divórcio pode ser o início de uma nova vida feliz mas também pode ser a continuação de uma vida infeliz, depende de os motivos que apoiarem a sua decisão.

Ponha o seu casamento numa balança e veja qual o lado que pesa mais, os defeitos ou as qualidades. Lembre-se que o divórcio deve ser o plano Z.

 

Não tenha medo de dizer: quero te ver!

Artigo Anterior

Se existe um propósito de vida, qual é o seu?

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.