3min. de leitura

QUANDO O SENTIMENTO VIRA ATITUDE…

Todo ser humano tem suas necessidades imediatas e básicas. É necessário manter as boas vibrações para saciar essas necessidades. Como toda AÇÃO tem a REAÇÃO! O nosso estado meditativo nos leva a INTUIÇÃO, que é a nossa bússola para promover a prática de ações que estejam condizentes com os nossos sentimentos.


Os nossos pensamentos geram ondas ELÉTRICAS, já os nossos sentimentos geram ondas MAGNÉTICAS e ambas, devem estar em ACORDO UNIVERSAL.

Não adianta SENTIR sem ter ATITUDE. Essas duas vertentes caminham juntas promovendo tudo o que se torna real ao nosso meio. Imaginemos o AMOR com toda a sua totalidade, ele sim, é a única coisa na vida que CRESCE à medida que se REPARTE. O real problema do ser humano é OBJETIFICAR a relação, é tomá-la como posse, quando na realidade estamos falando da plenitude do SENTIR. Como as pessoas não sabem o que “sentem”, ou sentem de forma “torcida”, é mais comum objetificar do que ter uma atitude madura do sentir pleno e terno.

Sabe quem pode atrapalhar esse processo? O seu EGO, do latim, significa “eu”. Em uma definição mais ampla, é a imagem que cada um tem de si próprio. E essa forma de ver o EGO pode afetar esses processos do SENTIR.


Sigmund Freud defendia que a personalidade humana é composta tanto pelos elementos conscientes quanto pelos impulsos inconscientes. E que existe o alter ego ( do latim “alter = outro e ego = eu”), uma segunda personalidade do “eu”, inconsciente, fictícia,  que no campo psicanalítico é definido como um sintoma patológico que pode vir a desenvolver o TDI (Transtorno Dissociativo de Identidade). Talvez este seja um dos processos que a sociedade contemporânea esteja mergulhada. Indivíduos com alter ego, que criam e recriam seus próprios personagens de acordo com o cenário social.

Deter-nos a uma discussão sobre o SENTIMENTO remete também conhecer o indivíduo que está gerando este sentimento.

O sentimento é ALGO DESBRAVADOR. Quem o souber explorar tem em si a chave de uma vida feliz e liberta. Para um mundo com pudor… Colecionar atrevimentos é vestir-se de LIBERDADE! Atrever-se é ter atitude, é ir a fundo, é saber o que nos torna felizes e ir ao encontro dessa condição, é se AMAR acima de TUDO e é aí, que muitas vezes… O AMOR deixa de SER SENTIMENTO para virar ATITUDE!






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.