4min. de leitura

QUANDO O SILÊNCIO ADOECE…

Te confesso que o silêncio me visita em algumas horas e praticamente me abandona em outras. Quando criança, ele se fazia mais presente em minha vida, principalmente nos momentos que eu deveria dizer algo em minha defesa ou comentar sobre determinada situação que não me agradava. O silêncio era minha maior companhia que. claro, em seguida me trouxe alguns amigos imaginários fazendo com que eu vivesse ainda mais em meu silêncio.


Depois de velha, tudo mudou. E percebo que quanto mais velha vou ficando, mais falo as coisas que penso e como elas me incomodam. Um dos motivos pelos quais eu adoeço pouco.

Dizem que quando você guarda sentimentos, engole emoções, sua alma adoece. A consequência de uma alma doente é a rápida contaminação no físico o que provoca imensas doenças que muitas vezes você não faz ideia que foi de uma palavra não dita que tudo se iniciou.

Esse é o tipo de silêncio que estou falando aqui. Não o silêncio necessário para se ouvir, não aquele tão importante para quietar nossos pensamentos acelerados. Não! Falo do silêncio das palavras guardadas, engavetadas dentro de você que deveriam ter sido ditas e não foram… Aquele desabafo que não aconteceu, aquela mágoa que você escondeu e que ninguém faz a menor ideia de que ela existe… Aquilo que você guarda aí só pra você e não compartilha com ninguém… Esse sim, esse adoece.


Por anos, observei meu pai andar de um lado a outro, fazendo coisas rotineiras imerso em seu silêncio. Ele era muito brincalhão, conversava com todo mundo, era alegre… Mas com o decorrer do tempo, tanta tristeza foi acumulando e ele comentando pouco sobre elas até não comentar mais nada. O resultado foi um corpo doente consequência de um coração doente. Nós o perdemos há 18 anos atrás e toda vez que vejo minha irmã pelos cantos preocupada e guardando apenas para si uma bagagem imensa de pensamentos, responsabilidades e culpas, eu me preocupo.

Quando temos algo no coração que nos machuca, conte pra alguém. Diga para um estranho ou escreva, mas não guarde um sentimento ruim que vai ruminando dentro da gente feito ácido a nos dilacerar inteiros. Não adoeça por não ter dito o que queria ou como se sentia. As palavras são perigosas, eu sei! Com elas podemos dar amor ou cortar um coração. Use-as sabiamente.

E quanto ao silêncio, esteja com ele em um dia de sol, sobre montanhas enquanto ouve as batidas de seu coração e o som da natureza. Use-o para te purificar, use-o ao seu favor, não contra você.






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.