ColunistasReflexão

Quando a vida faz cambalhota…

Quando a vida faz cambalhota…

Parece que acontece de repente. Tudo ia bem, ou parecia estar bem, mas, quando a gente vê, o mundo está de cabeça para baixo e não sabemos o que aconteceu, nem como.



De repente temos que lidar com um mundo que não conhecemos, e mesmo assim não podemos deixar de fazer alguma coisa. É como encontrar-se em alto mar sem saber nadar. O aprendizado tem que acontecer muito rapidamente porque as consequências do que fazemos ou deixamos de fazer também são imediatas.

Quando a vida faz cambalhota…

Quando o mundo está de cabeça para baixo agimos quase por instinto, porque mesmo tentando raciocinar e tomar atitudes lógicas, o turbilhão de fatos, pensamentos e emoções nos impede de estar plenamente conscientes de quatro coisas: o que está acontecendo; por que está acontecendo; qual é a real situação do momento e, principalmente, o que fazer.


Não estamos preparados para lidar com um mundo que deu uma cambalhota e esqueceu-se de voltar à sua posição normal. Então viramos nossa cabeça, o corpo, nos torcemos e contorcemos buscando encontrar uma posição em que as coisas façam algum sentido.

Parece que estamos diante de uma obra de arte moderna, a qual ficamos olhando, analisando em busca de alguma compreensão sobre ela, só que uma obra de arte não pode nos fazer sentir mal como nos sentimos quando estamos confusos por causa das traquinagens do mundo.

Não existe, infelizmente, uma fórmula capaz de nos salvar de tais momentos. Só precisamos ter em mente que tudo passa, e que as experiências anteriores, além de outras formas de ajuda, de alguma forma irão nos servir para achar um jeito de fazer o mundo retornar à sua posição normal. Talvez haja uma senha que precisamos digitar em algum lugar, ou talvez um jeito especial de tocar o mundo no ponto certo, que o ajudará a fazer a meia volta faltante, ou então talvez consigamos inverter nossa própria posição em relação ao mundo de maneira a vê-lo como algo que faz sentido, pelo menos algum.

A verdade é que a vida é feita de experiências dos mais diversos tipos. Muitas delas são dolorosas, e não há como evitá-las.


Elas nos trazem sofrimento, mas também nos fortalecem, de maneira que as etapas que ainda virão poderão ser vivenciadas com mais serenidade. Quanto aos momentos alegres é preciso saber aproveitá-los e nos nutrir deles, fazer reserva de felicidade, uma poupança e até um legado.

O mundo vira de cabeça para baixo, sim, mas nós, mulheres, somos espertas e guerreiras: viramos junto com ele ou o fazemos endireitar-se.

A palavra de ordem é perseverança, sempre respeitando o que acreditamos e de acordo com nossos princípios.

No íntimo nós sabemos as respostas. Basta serenar o coração e seguir lutando pelo que acharmos que vale a pena.


Organize a vida pessoal e profissional sem abrir mão do que você ama!

Artigo Anterior

Separação… Por que dói tanto?

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.