Notícias

Quanto fica para a banda? Líderes de cachês acumulam queixas e ações de músicos e funcionários

Foto : Reprodução
Quanto fica para a banda Lideres de caches acumulam queixas e acoes de musicos e funcionarios 2

O quanto sobra de grandes cachês para quem não está no centro do palco? A polêmica dos shows bancados por prefeituras mostrou que os contratos são altos para os cantores. Mas os líderes de verbas recebidas acumulam queixas e processos de seus músicos e técnicos.

Entre os shows de prefeituras investigadas pelo Ministério Público, os maiores cachês são de Gusttavo Lima – até R$ 1,2 milhão. Em segundo lugar aparece Wesley Safadão, contratado por R$ 600 mil.

Eventos com Bruno e Marrone, Zé Neto & Cristiano e outros artistas também são questionados, mas com cachês mais baixos que os dos dois líderes entre esses shows no alvo do MP. Veja aqui a lista.

O g1 ouviu músicos e “roadies” (técnicos de palco). Veja os principais pontos e leia relatos a seguir:

Um músico que tocou com Wesley Safadão diz que recebia R$ 4 mil por mês. Na época, o cachê do cantor já chegava a R$ 600 mil por show, e eles faziam até 30 apresentações por mês.

Screenshot 10 2

Direitos Autorais: Reprodução/Instagram

Um ex-músico de Gusttavo diz ao g1 que ganhava R$ 600 reais por show, na época em que o cachê do cantor era de R$ 280 mil.

Dois roadies abriram processos alegando que Gusttavo Lima pagava salários com o que seus advogados chamaram de “caixa dois” – segundo eles, o cantor pagava um salário, mas declarava nos contracheques um valor menor, o que diminuiu o total de impostos e direitos trabalhistas que Gusttavo deveria pagar. Ele foi condenado a pagar a diferença aos roadies e ao Estado.

Um representante da Ordem dos Músicos do Brasil disse que recebeu, em 2018, denúncias de músicos de Gusttavo Lima que tiveram seus salários mensais reduzidos para R$ 8 mil, na época em que o cantor ganhava até R$ 300 mil por show e fazia até 30 apresentações por mês.

O g1 também falou com funcionários de outros artistas. Um músico de uma dupla veterana disse que recebe R$ 1,8 mil por show, e que estes sertanejos mais antigos pagam melhor do que os cantores mais jovens e em alta nas paradas.

O g1 procurou Gusttavo Lima e Wesley Safadão, que não comentaram os casos.

Segundo o Sindicato dos Músicos do Rio de Janeiro, o cachê mínimo para uma apresentação musical seria de R$ 1.700. No mercado, há quem respeite o piso indicado por esse e outros sindicatos da categoria. São os casos de artistas veteranos do sertanejo e da MPB. Zezé Di Camargo & Luciano, Marisa Monte, Seu Jorge e Bruno & Marrone pagam acima do piso.

“Cachezão” dividido em “cachezinhos”

Em geral, o contratante, seja de prefeitura ou particular, paga o cachê todo ao artista. Com esse valor, o artista paga por sua equipe, logística e equipamentos.

Os contratantes também costumam bancar transporte, hospedagem e parte da alimentação do artista e de sua equipe.

Existem artistas que pagam aos seus músicos e técnicos por show; outros acertam uma quantia mensal. Alguns assinam carteira de trabalho; outros não.

Todos os músicos e técnicos que falaram com o g1 continuam no mercado de shows. Por isso, quem falou não quis se identificar. Outros músicos foram procurados e não quiseram conversar.

Menos do que “aquele 1%”

O instrumentista que tocava com Safadão por R$ 4 mil mensais diz que, em geral, a banda tinha mais cinco pessoas, e trabalhava sem parar: “A gente fazia entre 28 e 30 shows por mês.”

Isso significa que o cantor do hit “Aquele 1%” conseguia pagar todo o salário mensal de um músico com menos de 1% do cachê de um show, que chegava a R$ 600 mil.

Com 4% de uma só apresentação (R$ 24 mil de R$ 600 mil), Wesley pagava a banda pelo mês inteiro.

O músico diz que hoje toca com outros artistas ganhando por show, não por mês. “Eu acho muito melhor e confesso que acho até mais justo um músico trabalhar com cachê. Se você produz, ganha por aquilo que você produziu”, ele afirma. Seu cachê atual é de R$ 500.

Ele diz que o pagamento baixo é uma reclamação geral no mercado de forró, mesmo com o crescimento de popularidade do estilo. Os forrozeiros competem com os sertanejos nas paradas, mas não nos cachês.

“Um sertanejo que não tenha muito nome já paga R$ 500, R$ 600 por show. Os maiores nomes, a ‘paga’ já é de R$ 1,2 mil pra lá. É de se estranhar a cultura do forró de querer pagar fixo pra tocar 30 shows”, ele reclama.

O ex-funcionário de Wesley diz que, com o crescimento do cachê do cantor (ele recebe até R$ 780 mil), acredita que o salário da equipe não seja o mesmo. “Fiquei sabendo que deu uma melhorada, mas não sei de quanto foi essa melhorada”, ele diz.

O g1 procurou outros músicos e técnicos que tocam ou já tocaram com Wesley, inclusive um instrumentista e um assistente de turnês que abriram processos trabalhistas contra o cantor, mas nenhum deles quis falar.

Gusttavo condenado

Screenshot 11 1

Direitos Autorais: Reprodução/Instagram

Os dois roadies que processaram Gusttavo Lima começaram a trabalhar com ele em 2015. O primeiro saiu em 2017 e o segundo, em 2018. Ambos recebiam R$ 350 por show e faziam, em média, 17 eventos mensais, com pagamento médio de R$ 5,9 mil ao mês.

Em 2018, o cachê de Gusttavo Lima chegava a R$ 300 mil. Na época, ele tinha três roadies, relata um ex-funcionário. Isso significa que, com pouco mais de 2% do cachê de uma noite ele pagava o salário mensal de um roadie. Com 6%, ele bancava a equipe toda.

Gusttavo Lima acertava com eles a remuneração por show, mas o pagamento era feito mensalmente. Eles tinham a carteira de trabalho em dia e assinavam contracheques.

Mas uma das alegações dos dois processos é que os contracheques mostravam quantias menores do que os salários de R$ 5,9 mil que eles recebiam na realidade. Um contracheque de janeiro de 2018, por exemplo, tinha o total de R$ 2,5 mil.

“O valor constante nos contracheques não condizem com a realidade, ou seja, não guardam semelhança com o real valor percebido pelo reclamante (prática do caixa dois)”, dizem os advogados nos dois processos.

O problema é que os direitos trabalhistas e impostos pagos por Gusttavo Lima aos funcionários foram calculados com base neste salário menor.

Nos dois casos, a Justiça do Trabalho concordou com os advogados dos roadies e condenou o cantor em segunda instância a pagar esta diferença nos direitos aos trabalhadores e nos impostos ao Estado.

Em uma das ações, o cantor terminou de fazer o pagamento de R$137.971,01 em abril de 2022. No segundo caso, ele já foi condenado em duas instâncias, mas ainda tem recursos no Tribunal Superior do Trabalho (TST). O total a ser pago caso o TST confirme a condenação não foi calculado.

O g1 procurou a advogada trabalhista Ana Cláudia Arantes (que não está envolvida nestes dois processos) para entender a condenação. Ela afirma que esta prática de anotar um valor menor do que o foi realmente pago é uma fraude.

“Isso é uma forma de burlar a legislação trabalhista, pois assim se paga menos impostos (que são gerados sobre a folha de pagamento), diminui a base de cálculo do recolhimento de INSS do empregado e gera pagamento menor ao trabalhador de horas e reflexos, férias, 13º e FGTS”, ela explica.

“É um prejuízo para o trabalhador e para os cofres públicos”, diz a advogada.

O g1 falou com um dos roadies, que disse que confirma tudo o que informou no processo, mas não quis comentar mais o caso. O outro roadie não respondeu às mensagens.

Desanimado e demitido

O g1 falou com um músico que tocou durante oito anos com Gusttavo Lima. Ele afirmou que também assinava contracheques por valor menor do que realmente recebia. Mas ele diz que, no acerto ao final do contrato, recebeu uma quantia que considerou correta e não entrou na Justiça.

Ele ficou na banda até 2017 e ganhava R$ 600 por show. Ele conta que os outros músicos ganhavam R$ 550. Mas ele tinha um acréscimo de R$ 50 reais por ajudar a equipe de iluminação, além de tocar.

O músico conta que, na época, a banda variava entre 7 e 11 músicos. Com um cachê que já chegava a R$ 280 mil, Gusttavo Lima gastava, em cada show, cerca de 2% da remuneração com a banda.

Ele conta que antes de Gusttavo Lima estourar, o cantor pagava R$ 250 por show, o que era bom para um iniciante. O sucesso e os cachês foram crescendo e o pagamento aos músicos não subia na mesma velocidade.

O músico afirma que tinha amigos que tocavam com duplas sertanejas mais antigas, e que eles recebiam duas ou três vezes mais. “Esses mais velhos valorizam mais os músicos”, ele diz.

O instrumentista conta que, durante esse tempo, reclamou várias vezes com o cantor. Gusttavo respondeu que gastava com cada show cerca de R$ 80 mil em equipe, logística e equipamentos, o músico relata. Mas, na época, ele já ganhava até R$ 280 mil por noite.

Ele diz que foi ficando desanimado. O cantor percebeu e acabou o demitindo.

Panela velha é que faz cachê bom

Um instrumentista que trabalha com uma dupla veterana disse que, atualmente, esses artistas pagam entre R$ 1,2 mil e R$ 1,8 mil por show aos seus instrumentistas.

Este grupo de artistas mais antigos que pagam bem, segundo ele, inclui Bruno e Marrone, Zezé di Camargo e Luciano, Chitãozinho e Xororó, Leonardo, Eduardo Costa e outros.

Ele diz que, em geral, os veteranos pagam mais do que artistas mais jovens e que estão mais em alta nas paradas atualmente.

Em compensação, os veteranos fazem menos shows por mês. “Os ‘universitários’ ganham menos por show, mas tocam mais. É outro ritmo”, ele descreve.

Fora do sertanejo, segundo apurado pelo g1, um músico de Marisa Monte recebe R$ 3 mil. Já integrantes da banda de Seu Jorge têm cachê de R$ 2 mil.

OMB contra a redução

Emerson Biazon, representante em Goiás da Ordem dos Músicos do Brasil (OMB), diz ao g1 que já foi procurado por músicos que tocavam com Gusttavo Lima e que reclamavam do cantor. O caso aconteceu em 2018.

“Ele fez uma proposta para eles de cobrar mais barato”, lembra Biazon. Na época, os músicos alegavam receber uma média de R$ 21 mil mensais, e o cantor propôs que a remuneração passasse a ser fixa, de R$ 8 mil por mês. Eles não aceitaram e foram demitidos.

Gusttavo fazia até 30 shows por mês em 2018. Isso significa que eles passariam a ganhar R$ 266 por apresentação – ou seja, menos até do que a remuneração relatada pelo instrumentista que ficou na banda até 2017, de R$ 550.

Biazon diz que a OMB tentou ajudar os músicos e divulgar o caso que considerava injusto. A história chegou à imprensa e foi publicada no jornal “O Dia” em maio de 2018.

No fim das contas, ele diz que alguns músicos aceitaram o salário menor e foram recontratados. “O cara acaba aceitando também para fazer nome, por ser músico do Gusttavo Lima”, ele explica.

0 %