6min. de leitura

Quanto tempo e energia, você vai desperdiçar com o que foi?

É isso mesmo que você quer? Anular toda a sua existência, em função do seu despreparo emocional e algumas experiências negativas? Quanto tempo e energia, você vai desperdiçar com o que foi?

Alguns anos atrás, recebi uma mensagem de Natal, enviada por um amigo, que me fez refletir muito sobre o momento que estava vivendo. A mensagem falava de desapego de uma forma diferente… falava sobre o desapego de emoções passadas.


Até então, considerava o assunto sob a perspectiva material. Naquele instante, tive um “insight”: ou levantaria a cabeça e seguiria em frente, ou ficaria presa no tempo que não existia mais, desprezando as oportunidades presentes e possibilidades futuras. Caramba! Naquele momento, eu me perguntei:

É isso mesmo que você quer? Anular toda a sua existência, em função do seu despreparo emocional e algumas experiências negativas?

Quanto tempo e energia você vai desperdiçar com o que foi? Vai continuar agindo como vítima querendo reaver o tempo investido ou vai levantar e reconstruir, assumindo a responsabilidade por suas criações (escolhas e comportamentos)?


Assim, iniciei minha caminhada de forma consciente, lúcida e ávida por transformações. Comecei a prestar atenção nos aprendizados e a buscar por situações, circunstâncias, histórias e pessoas favoráveis ou que facilitassem as mudanças. Posso dizer que, a partir daquela mensagem, passei por verdadeiras metamorfoses.

Quando comecei atuar com o Coaching  e a PNL, percebi que muitas pessoas tinham os mesmos entraves: dificuldade de seguir adiante, devido o apego ao passado. Ocorre que nem sempre as pessoas sabem ou conseguem jogar fora todo o lixo emocional acumulado no decorrer dos anos para tornar a caminhada mais leve.

O ser humano é sistêmico, não adianta definir o futuro se continuar conjugando o passado no tempo presente.

É claro que existem outros fatores que  facilitam a conquista ecológica de suas metas. Porém, este é o primeiro passo e o mais importante. Sem isso, esqueça a ecologia das suas conquistas. Você não terá PRESENÇA para desfrutá-las. Nem resiliência diante de situações desafiadoras. Mais ainda, vai ficar no papel de vítima a vida toda, desprezando, ignorando ou subestimando sua força interior, desacreditando seu poder pessoal.


É isso o que você quer? Deseja mesmo anular sua existência por causa de algumas experiências malsucedidas?

E se você estiver resmungando aí do outro lado: “Falar é fácil! Quero ver se você tivesse passado por tudo o que passei. Você não sabe de nada! Demagogia!

A minha resposta? Sim, o mundo não é um conto de fadas! Posso dizer que conheço os dois lados da vida e do ser humano. Existem pessoas perversas, mesquinhas maquiavélicas, pessoas desconectadas da humanidade. Mesmo assim, acredito que apesar das cicatrizes e feridas que estes encontros provocam, tudo é uma questão de percepção, superação e sobrevivência. Você pode anular sua vida ou dar a volta por cima. Independente do que tiver acontecido, o recomeço é uma escolha. É uma questão de percepção, cada escolhe como enxergar o mundo e significar suas experiências.

Aproveitando o momento, vou contar como era a minha percepção de vítima: O mundo era cruel, nefasto, sem graça. As pessoas eram falsas, manipuladoras, hipócritas. Essa forma de ver era angustiante e generalizada, impossibilitando a percepção de outros mundos, impedindo a aproximação de outras pessoas.

Como consequência, tornei-me uma pessoa azeda, sisuda, desconfiada e descrente. O tipo de perspectiva que me afundava cada vez mais, a ponto de apenas existir! Tudo de que eu precisava eram estímulos, algo que fomentasse em mim a vontade intensa de mudar. A maternidade foi o primeiro gatilho.

Hoje, percebo que a mudança maior foi interior. A realidade é aquilo que enxergo. O fato de enxergar apenas ervas daninhas, não quer dizer que as flores não existam. Elas podem estar escondidas e você precisa ajustar o foco e limpar o jardim. Não sei qual o seu momento atual, quais são as suas crenças ou o que aconteceu na sua vida. Sei apenas que todo jardim tem flores, espinhos e ervas daninhas.

Desistir das flores ou limpar o jardim e ajustar o foco?  Você é a única pessoa capacitada para responder. A propósito, você conhece a história de Hellen Keller? Anne Frank? Oprah Winfrey?


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123rf / arthurhidden

 





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.