Que sigamos, fluindo com amor…

Você nunca entra no mesmo rio duas vezes, o fluir da água não permite isso.

Dizem que na vida algumas sensações são únicas, irrepetíveis inexplicáveis.



Acredito, realmente, que assim seja. A alegria pelas conquistas, a promoção de um emprego, o casamento, nascimento de um filho, a compra do primeiro carro, ou aquelas sensações não tão agradáveis, um relacionamento que termina, a perda do emprego, sofrer um acidente.

São tantas coisas, um infinito de possibilidades, difícil descrever tudo, pois, embora algumas sensações sejam convencionalmente únicas, o que por vezes é importante para uns, pode não ser para outros.

Não importa o que nos aconteça, porque a vida acontece o tempo todo, ela não para. Importa é o que nós fazemos com ela. Ter um porquê para suportar os tantos “comos”.


Acho então que tudo na nossa vida é único. Esta fração de segundo que agora vivemos não volta mais, ela foi. Ficam as memórias.

É como o rio, que nunca é o mesmo, a água nasce e flui em direção ao mar, o grande encontro acontece, então, uma mudança, é um ciclo sem fim. Você nunca entra no mesmo rio duas vezes, o fluir da água não permite isso.

Assim somos nós, como as águas nascemos e vamos fluindo pela vida, ganhando força a cada momento, crescendo, evoluindo.

A verdade é que a única coisa que realmente possuímos é nosso tempo, ele é o que somos, e quando dedicamos nosso tempo a algo ou alguém uma parte nossa ali fica. Não há como ser diferente.


Que a sabedoria da natureza possa nos ensinar a cada dia, que sejamos como o rio, que nasce e flui para a grande transformação no seu encontro com o mar, que assim como ele aprendamos a contornar os obstáculos e como diz o ditado, água mole, pedra dura tanto bate até que fura.

Que sejamos doces e saibamos, suavemente, adentrar nos espaços dos corações alheios que nos parecem, por vezes, impenetráveis.

Que aprendamos com as árvores, que nascem das pequenas sementes e primeiro crescem para baixo, para dentro firmando suas raízes, depois disso iniciam sua subida; e nesse crescer, cada vez que crescem para o exterior, crescem também interiormente, tornando-se resistentes às tempestades que vem. Que elas também nos ensinem a trocar nossas folhas, a deixar de lado aquelas concepções que já não nos cabem mais, que enquanto criança pensemos como criança, e enquanto adultos não percamos nossa docilidade, mas nos portemos como adultos.

Que assim como as borboletas, aprendamos que a vida passa por longas e grandes metamorfoses.

Que possamos aprender com a natureza, com a vida, com os que nos cercam. Que entendamos que há sempre um motivo para sonhar e tentar de novo.

Que as coisas são, sim, únicas, tanto as boas como as ruins.

Que não é porque batemos de carro uma vez, que cada vez que sairmos de carro iremos bater novamente, foi uma experiência, um momento que veio nos ensinar, precisamos aprender com ele e seguir fluindo, vivendo.

Que aprendamos com cada dia único que nos acontece e não deixemos nossas memórias passadas impedir nosso futuro. Que sigamos, fluindo com amor.

__________

Direitos autorais da imagem de capa: wckiw / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.