Amor-PróprioFelicidadeO Segredo

Que te importe quem se importa

“Chegou um momento em minha vida no qual pratico a “economia de pessoas”. Eu incluo na minha vida diária a riqueza dos meus dias, valores a meus sonhos e ganhos ao meu coração.”



“Que te importe quem se importe.” Esta expressão pode soar como algo drástico. Para fazer isso, em primeiro lugar, devemos definir o conceito de importância.

Se importam conosco todos aqueles que têm atos sinceros, voz e vontade. Relações humanas, longe de serem à base de troca “você me da isso, e eu vou te dou aquilo” é algo que vai além de bens materiais.

Estamos falando de emoções, especialmente emoções positivas que incentivam o crescimento pessoal com a troca de experiências e pequenos momentos que se tornam maravilhosamente enormes.


Vivemos em uma sociedade complexa, carregada muitas vezes de individualismo e interesses pessoais. Nossos dias são muitas vezes regidos pela concorrência, até mesmo desejo de posse.

Algumas pessoas anseiam controlarem seus parceiros por medo de perdê-los, os pais superprotegem seus filhos, amigos dominam amigos por medo de estarem sozinho, por medo de perderem um apoio incondicional e diário.

Em muitas das nossas relações existe um egoísmo obscuro, do qual somos conscientes, mas suportamos.

O que podemos fazer nessas situações? Qual é a maneira mais eficaz de agir?


Aprender a construir relacionamentos positivos

Está muito claro que não basta apenas ficarmos longe de todos aqueles “que não nos dão acrescentam nada.” A vida real não é como em redes sociais, onde há a opção de “remover amigos”.

É muito possível que algum parente seu, longe de enriquecer sua vida, encha-o com o desconforto. Ou você tem um colega de trabalho negativo, derrotista e crítico. Nós não podemos apagar essas pessoas de nossos dias.

Se trata simplesmente de não darmos a importância que merecem. Evitar sermos afetados por suas ações ou palavras, desde que não cruzem o limite de sua integridade emocional ou psicológica, nesse caso, a distância será mais apropriada.


No entanto, ante a este tipo de personalidades, onde sua toxicidade não deixa a zona crítica, é melhor não dar-lhes poder: nem em sua vida ou em seus pensamentos. Defina limites. Porque ao permitir que outras pessoas te afetem, você está acumulando um estresse físico e emocional muito perigoso.

Embora muitas vezes não seja possível controlarmos quem entra e quem sai de nossas vidas, temos a capacidade e a responsabilidade de decidirmos quem fica em nossos corações.

A chave para essa permissividade, para esta maneira de fazer com que te importe quem se importa, é construir relacionamentos positivos.

Te explico quais são os pilares básicos:


1. Construir vínculos saudáveis

Falamos muito sobre a importância de “evitar vínculos.” Bem, a essência é diferenciar os vínculos que nos causam dor (aqueles que se apegam a certos requisitos), dos vínculos saudáveis, onde ligações de crescimento são construídas.

  • Devemos favorecer apegos baseados na confiança e não na ansiedade, ou seja, medo de ser abandonado ou traído. É vital que haja uma harmonia baseada na maturidade e respeito mútuo.


2. Conhecer as necessidades básicas

Negar que todos temos necessidades é colocar uma venda nos olhos. Para que alguém nos importe de verdade, deve haver um certo intercâmbio de ganâncias pessoais:


  • Um respeito mútuo e confiança que não serão sancionados, julgados ou rejeitados por expressarmos nossos pensamentos mútuos. Essa sensação é normalmente encontrada no nível da família, quando sabemos que não vão respeitar as nossas opiniões ou ações.
  • Amostras diárias de afeto: esse sentimento de cumplicidade que temos para com nossos amigos, o amor altruísta dos nossos parceiros … é oferecer afeto de forma gratuita, deixar-se ser envolvido por um sentimento sincero de proximidade.

Essas são, certamente, as raízes que enriquecem qualquer relação positiva.


3. Poder enfrentar determinados problemas

Às vezes, quando você tem um problema, alguém próximo a você te cerca de estratégias, ou simplesmente se põe em seu lugar para te compreender, te repreende por certas coisas.


Estas pessoas estão longe de te ajudarem, apenas te afundam ainda mais. Tente distanciar-se nestes casos, e escolha bem quem pode estar ao seu redor nesses momentos.

“Relações positivas têm em essência uma harmonia interna, onde os problemas, longe de serem obstáculos, são oportunidades pessoais que oferecem ajuda, aprendizado e aumento do vínculo.”


4. As relações positivas admitem a existência de erros

Se alguém próximo a você não aceita o fato de que você comete certos erros, não será um relacionamento saudável ou emocionalmente seguro.

Você será sempre confrontado com seus “padrões difíceis” onde os erros não se encaixam, onde não é te dada a oportunidade de ser melhor.

Evite esse tipo de relacionamento, afaste-se do possível impacto que podem ter sobre você.

As pessoas se equivocam, erram, assumem os erros e seguem em frente para crescerem pessoalmente.

Todos aqueles que te querem da forma como você é, com seus sucessos, fracassos, hobbies e grandezas, são pessoas que trazem luz à sua vida. Não as perca, segure firmemente a cauda de seus cometas …

 

___

Traduzido pela equipe de O Segredo

Fonte: La Mente es Maravillosa

Para dizer eu te amo

Artigo Anterior

3 maneiras de praticarmos o não apego em nossos relacionamentos

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.