3min. de leitura

Quem tem medo de amar, tem medo de viver!

Na esfera terrestre vivemos num mundo dual que conceitua tudo como bom ou mau comparando sempre os opostos. Baseado nessa ideia, o amor sempre é comparado ao ódio, porém, o oposto do amor é o medo.


O medo é o sentimento primordial e gerador de atitudes extremas que aparecem na forma de violência, agressividade, controle, ciúme, frieza, rejeição, desprezo etc.

Da mesma forma que o medo se manifesta através de suas diversas máscaras, o amor distorcido também se manifesta como uma máscara que encobre o medo.

Um exemplo disso são a carência, o vitimismo, o excesso de cuidado com o outro, que depois exige cuidados em troca, o servir em qualquer circunstância, colocar-se em segundo plano nas relações etc.

O medo é a vibração energética de mais baixa frequência do universo, é a frequência que se conecta com a falta. A falta, em nosso mundo dual, é o oposto da abundância.


A abundância é a conexão com o divino, com a terra que dá frutos, com a fertilidade da vida. A falta é ausência da fé na vida.

Portanto, de forma sistêmica, o medo está no caminho da morte, leva o ser humano para situações de apego, destruição, falta de realização em vários níveis.

O amor gera a abundância e acolhe, inclusive, o medo, tirando sua força destruidora e transformando-o em algo positivo.

Para viver a vida desfrutando dela e não somente sobrevivendo a ela, é necessário se libertar do medo e fluir no amor.


E no amor verdadeiro, todos os movimentos naturalmente eliminam a dualidade buscando situações de integração, união e construtivismo através de novas visões, aceitação, soluções conciliatórias, criativas e positivas.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: martinan / 123RF Imagens





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.