Reflexões com Deus…

Nos últimos tempos, estive um tanto distante de mim e, por incontáveis vezes, emaranhei-me na confusão do mundo, por ter a ingênua pretensão de poder salvá-lo sozinha.

Eu adormeci nos problemas e nas misérias alheias, sem me dar conta de que a minha própria vida ruía lentamente. Tentei resgatar pessoas e consegui ajudar muitas, mas perdi a memória da minha própria alma. Auxiliei em jornadas e missões, porém, perdi o mapa do meu propósito maior. Eu quis amar incondicionalmente o outro e abandonei-me no mais cruel e escuro vazio.

Até que um dia, vi uma pequena luz, segui-a e, finalmente, acordei da ilusão que eu mesma havia criado. E isso não foi bom, a princípio, porque me doeu as entranhas por eternos anos, ou talvez tenham sido apenas minutos?

Quem é Deus? Questionei tantas vezes… O que quer de mim? O que quer de nós? O que quer de toda a criação? Qual é mesmo o sentido da vida? Evolução? Perdão, Excelentíssimo, mas esta resposta me parece um tanto rasa e não me satisfaz, gritei.

Contudo, para a minha felicidade, eis que Ele rompeu seu “longo silêncio” e me falou:

Desista, solte-se, perca-se, desconstrua-se, queime, vague, sublime, expanda, canalize. Então, poderá sentir-Me em suas mãos quando escreve, em sua boca quando proclama palavras de amor ou ainda quando derrama lágrimas

E quando olhar nos olhos de todos os seres e realmente enxergar-me lá, quando tornar a se amar como Eu a amo, aí sim, estará em um estado de pura conexão Comigo. Para mim, não há separatividade, tudo é sabedoria, porque Eu estou além, Eu estou acima do que julga, atrás do que nega. Estou em um ponto que é fora e dentro ao mesmo tempo; tão longe e tão e tão perto de você.

Porém, você, a Mim não conseguirá decifrar, não poderá entender-Me, sem descobrir o verdadeiro sentido tão brevemente. Acalme-se, conheça a si mesma, primeiramente, pois toda odisseia tem um fim e o fim é um novo começo, uma porta para o Infinito.

Tempo e espaço são equívocos do Seu ainda limitado (mas não permanente) recipiente mental.

Afinal, como pode querer medir o Todo com uma simples régua? Como pode conseguir definir aquilo que é Indefinível?

Entretanto, asseguro-lhe uma única coisa: uma vez que retorne plenamente a você, sentir-me-á com toda a Minha Força, Poder e Glória outra vez. Sei que é capaz, recorde-se que já fiz isto em remotos momentos.

Eu disse sim, e levantei-me!

Um texto de Tatiana M. Galvão para todas as pessoas que se identificarem.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: camaralenta / 123RF Imagens



Deixe seu comentário