AmorO SegredoRelacionamentos

Relacionamentos são complicados

relacionamentos são complicados

Eric pegava uma caixa de Sucrilhos nas prateleiras do alto quando sentiu alguém bater com um carrinho de compras no seu calcanhar. Se virou impacientemente e viu Ariel, sua ex-namorada, um tanto quanto atrapalhada com um carrinho de compras cheio.



– Quer ajuda, gatinha? – Disse ele, irônico, enquanto ela estava de cabeça baixa tentando não deixar cair tudo de dentro do carrinho.

– Não, brigado. – Respondeu ela, ríspida e nitidamente cortando a cantada barata daquele estranho.

– Bom, então eu vou embora. Mas não esquece de pegar aquele chocolate com passas que você gosta, tá em promoção.


Ela olhou espantada e viu que era Eric. Sorriu sem jeito e o cumprimentou.

– Tinha que ser você, bobo.

– Claro, em quem mais você ia bater o carrinho no pé, né?

– Desculpa, eu tava meio enrolada.


– Relaxa. Tá sozinha aí? Vou embora senão seu namorado vai ficar chateado.

– Eu to sozinha. Meu namorado não veio. Ele nunca vem.

– Sério? Eu adorava ir ao mercado com você, lembra? Era um pra cada lado e quando a gente se encontrava você tava cheia de doce, chocolate e coisas para fazer bolo no seu carrinho, hahaha.

– É mesmo, era bem divertido. Fazer compras sozinha é bem chato. A sua namorada ta aí?


– Não. Na verdade eu terminei tem um tempo.

– É? Que pena. Brigaram?

– Não, só não deu certo. Essas coisas são complicadas.

– Outro dia a Natalia, minha amiga, tava falando disso. Relacionamento é sempre uma coisa muito complicada, mas com a gente não era, hehe.


– Com seu atual namorado é complicado?

– Sempre é, né, Eric. Sempre é.

– Sempre não, com a gente não era, hehe.

– É… Com a gente não era… Mas e aí, já tá procurando a próxima?


– Na verdade já achei, mas to esperando a poeira abaixar. É uma situação meio complicada. Mas eu vou esperar, vou curtir a solteirice um pouco.

– Ah, que bom… – Ariel responde, sem jeito. – Queísso que você tá escrevendo?

– Uma coisa que eu esqueci de comprar. Mas e aí, como tá a sua vó? Saudades dela.

– Tá bem! Dia desses ela perguntou por você.


– Eles devem me odiar, né?

– Não, não. Eles te entendem. Você foi muito correto comigo quando terminamos.

– É… Fui… Mas e aí, como tá o namoro? Bem?

– Eric, você sabe que eu não gosto de falar disso com você.


– Ok, foi mal. Não tá mais aqui quem falou… Mas e o trabalho, tá bem?

– Tá, to indo pra outra agência.

– Ganhar mais?

– Nem tanto, mas com certeza trabalhar menos. Sair no horário, pelo menos, né.


– Ah, sim. Que bom, né?! Eu consegui sair de agência e não volto mais, hehe.

– Mas eu gosto.

– É… Eu lembro… Eu lembro que eu ia te buscar na agência todo dia, e você vinha o caminho todo de casa falando de como foi seu dia. Eu adorava ouvir você falando tão empolgada, tão feliz.

– É… Eu também gostava de falar…

Ela olha pra baixo, sem jeito. Levanta a cabeça e fala apressada.

– Bom, tenho que ir. – Disse ela, tentando arrumar as coisas no carrinho.

– É… Eu também…

O clima ficou um pouco denso. Ariel prendeu os cabelos e foi se ajeitando.

– Pera, sua bolsa tá aberta. – Eric falou, pegando a bolsa e recolocando as coisas dentro.

– Brigado. Vou nessa então. Beijos, se cuida.

– Beijos, e se cuida você!

Ariel foi se afastando enquanto Eric ficava parado, imóvel. Ele a observa até o caixa. Ela chega no caixa e passa as compras. Tudo sob o olhar atento de Eric. Quando vai abrir a carteira, ela vê um papel com a letra de Eric. Ela lê e está escrito: “Eu vou te esperar, mas não demora muito. Ser solteiro é muito chato, e não tem ninguém pra fazer brigadeiro pra mim…”. Ela sorriu de cabeça baixa. Se forçou a ficar séria e olhou para trás, onde, ao longe, Eric ainda estava parada a observando. Ela olhou para ele bem nos olhos, sorriu, pagou as contas e foi embora. Eric começou a andar devagar, ora sorrindo feliz, ora com um semblante triste, desesperançoso. Sorte de Eric que todos os relacionamentos são sempre muito complicados. Menos o deles.

 

___

Escrito por Léo Luz – Via Entenda Os Homens

Para superar as perdas, freud explica

Artigo Anterior

Vamos falar de suicídio?

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.