Respeito é bom e todos gostam!

4min. de leitura

Respeito foi uma das palavras que mais ouvimos em nossa casa durante todo o tempo em que convivemos com nossos pais.

Porém a interpretação do meu pai quanto a seu significado era um tanto limitada e até tendenciosa, pois, homem autoritário à moda antiga, toda a família devia-lhe o tal respeito, não que ele não o merecesse ou nos desrespeitasse, mas estou certa de que até pela sua simplicidade e pelo machismo indiscutível que imperava na época, ele nem cogitava a possibilidade de aplicar o conceito partindo de si direcionado a nós e isso incluía sua esposa, nossa mãe.



“Tem que haver respeito!”, “Você me respeite”, “Olha o respeito!”,  “Respeite seus avós”, “Mas que falta de respeito!”.  E assim, essa palavra era repetida várias vezes ao dia e muitas e muitas vezes durante toda nossa vida até mesmo depois que já éramos adultos, homens e mulheres feitos, pois tivemos a alegria de ter com ele uma longa convivência.

Muito embora meu pai fosse alguém com muitos requisitos exigidos para ser um homem de respeito, sua forma de entender  a temática era relacionada à subordinação.

Na educação rígida que recebemos tudo era imposto, tínhamos que nos subordinar, sobretudo, a nosso pai. Essa conduta nos despertava receios e temores. Hoje compreendo que nossos sentimentos pouco tinham a ver com respeito, pois este não é algo que se consegue através da autoridade, da imposição, não se exige como se costuma dizer por aí, mas, sim, conquista-se.

O respeito é um valor moral de fundamental importância para as relações humanas, é pelo respeito que se estabelece a forma de tratamento entre as pessoas, evitando embates desnecessários.


Um mundo sem respeito algum estaria fadado à extinção. Não haveria qualquer entendimento que pudesse contribuir para a evolução do ser humano. Viveríamos como os dinossauros, seres irracionais que nada construíram.

O autorrespeito é o início de tudo, fundamental para a construção da autoestima. Quando nos respeitamos, estamos nos estruturando para sermos respeitados, assim como reunindo sabedoria para praticarmos o respeito ao outro. Enfim o autorrespeito é a representação do valor que atribuímos a nós mesmos.

Assim, se quisermos ser respeitados, temos que nos respeitar e respeitar o outro.


Neste processo todo, nem sempre vamos agir como gostaríamos, mas, sim, como deveríamos, pois respeito é também um compromisso moral de todo homem honrado.

Devemos essa consideração não apenas a outro ser humano, mas também a aspectos que envolvem, por exemplo, uma instituição, uma religião que não a nossa, à natureza, aos animais, ao planeta, a muitas outras temáticas.

Respeitar não significa submeter-se, como considerava, equivocadamente, meu querido pai, e sim ter consciência de que essa é uma questão mútua, recíproca e nunca unilateral! E imprescindível para uma convivência harmoniosa, é também aceitar que no outro é diferente de nós, compreendendo que cada um é um mundo distinto e que não somos detentores da verdade absoluta.

Quem quer ser respeitado, mas não respeita é hora de rever suas interpretações e de lembrar-se de que primeiro é necessário dar-se ao respeito, caso contrário, nada poderá “exigir”.

“Quando se respeita alguém não queremos forçar a sua alma sem o seu consentimento”. Simone de Beauvoir

__________

Direitos autorais da imagem de capa: andreaobzerova / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

* Matéria atualizada em 11/09/2017 às 6:58






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.