Reflexão

Ressentimento familiar: o ódio de quem não perdoa

Capa Ressentimento familiar o odio de quem nao perdoa

Ninguém é obrigado a conviver com quem lhe faça mal, mesmo se essa pessoa for da sua família. Mas para o seu bem, perdoe aqueles que lhe fizeram mal para que o ódio não o corroa de dentro para fora.

Por mais que tenhamos aprendido a vida toda que a família é nosso bem mais precioso, nem sempre essa é a realidade universal. As pessoas que em tese devem lutar por você, não importam as circunstâncias, muitas vezes são as que o machucam com mais força, pois por acompanhar você por toda a vida, têm acesso a todas as suas fraquezas.

É preciso deixar de lado essa ideia de família como porto seguro quando levamos golpes demais de quem deveria nos proteger. Quando somos crianças é mais difícil, mas se na fase adulta sua família continua sendo grosseira com você, nada o impede de seguir em frente e se afastar de quem não respeita sua vivência. O que não nos contam é que podemos escolher quem será nossa família com o passar dos anos, com nossos amigos e parceiros. Ninguém está preso eternamente naquele núcleo de pessoas onde nasceu. Pode demorar um pouco, mas você encontrará o próprio caminho para trilhar sem ter nessa caminhada mais um grupo de pessoas que sente que precisa agradar.

Atritos familiares acontecem, são bem mais comuns do que imaginamos e todos já ficamos sabendo de pelo menos um caso de alguém que se afastou de vez da sua família, e essa parte do texto é justamente para conversar com essas pessoas.

Você conseguiu, afastou-se de quem não lhe fazia bem e deixou de lado as ideias que precisava seguir relacionando-se com sua família apenas por conta do laço de sangue. Mas por acaso você está com dificuldades de seguir em frente? Mesmo longe, pega-se pensando nas ofensas que ouviu e até mesmo se limitando a viver da forma que quer por conta delas?

Agora que você está longe, a presença da sua família em sua mente é tão constante, que é quase como se você nunca tivesse se afastado dela? É com pesar que informo, mas ainda falta um passo para você viver livre dos julgamentos que o feriram.

Você precisa perdoar.

Pode parecer estranho e até mesmo uma forma de desrespeito a si mesmo, em um primeiro momento, afinal perdoar a pessoa que lhe fez mal não é o mesmo que deixar passar o que ela lhe fez?

Sim, mas não da forma que as pessoas pensam. Deixar ir não é algo passivo, é preciso uma grande dose de coragem e atitude para abrir mão de uma ferida e deixá-la ir, ainda mais se ela tiver sido feita por alguém próximo, como um familiar. Mesmo sem perceber, aquele ataque pode ter definido quem somos e como agimos.

O ressentimento não leva a lugar nenhum, pelo contrário, ele pode aprisionar você num eterno repetir das feridas que sua família lhe fez por toda a sua vida.

Ninguém o está obrigando a voltar a se relacionar com sua família, se não quiser, esse perdão não é necessariamente para ela, mas para você, para que consiga sair desse lugar de vítima e assumir as novas jornadas que a vida lhe reserva.

Você nunca foi a pessoa que seus familiares disseram que era, mas se retiver essa mágoa, ela poderá envenenar sua alma. 

Perdoe, mesmo que eles não lhe peçam desculpas. Perdoe, mesmo que eles não mereçam, porque no fim do dia, você sabe que tem a coragem de deixar isso passar não porque sua família estava certa em machucá-lo, mas para que seu coração experimente um novo recomeço.

0 %