Salve, Salve o AQUI e o AGORA, porque o depois é consequência!

“Cada dia me oferece uma nova oportunidade. Ontem já terminou. Hoje é o primeiro dia do meu futuro.”  – Louise Hay

Estamos diante de uma nova semana, um novo dia que traz INFINITOS motivos, para que nos mantenhamos VIVOS.

O Culto à VIDA, à ALEGRIA, à SAÚDE representa a valorização de SI MESMO e de todo SER vivente.

Todos nós passamos por momentos difíceis, muito trevosos, complicados, desesperadores, intensos de dor, infinitos e demorados, justificando a canção: “Tristeza não tem fim, felicidade sim.”

Os tempos de trevas e dor fazem parte da nossa VIDA! Nosso aprendizado com a SUPERAÇÃO, fornece caminhos para a RESILIÊNCIA.

A questão não está no outro, na situação difícil, mas na maneira como enxergamos as dificuldades, no modo como nos posicionamos diante das negativas da vida. Exemplifico: fim de um relacionamento, desemprego, doença…

Por mais doloroso que seja o fim de um relacionamento, falo por experiência, pois sofri diversas perdas: ser trocada por outra; ser traída; não ser amada; mas de todos – o pior – foi o término do meu noivado, porque um Câncer no pulmão pôs fim a sua vida. Exatos 10 meses, após meu pai partir para a eternidade, vítima de um infarto fulminante.

Desemprego? Já sofri muitas vezes, a amargura de ser demitida, a sensação de descartabilidade, de perda de referencial, para cumprir com os compromissos financeiros.

Sofrimento. Dor. Revolta. Desespero. Quem nunca os sentiu? Quem está vivo já teve seus MOMENTOS.

Eles são momentos e passam. A compreensão da dinâmica da vida cicatriza a ferida que a perda nos causa.

Mas, PERDA? Perda do quê? Perda de quem?

Não podemos perder nada que nunca tivemos, não é mesmo?

Pessoas, não somos possuidores de ninguém, nem donos da consciência do outro; logo não existem perdas de pessoas.

Elas sentem que não estão felizes ao nosso lado, que elas desejam viver outras experiências com outras pessoas.

Perceba que estamos falando da vida do outro. Devemos cuidar e zelar das nossas próprias vidas.

Como estava nosso relacionamento? Estava agregando valor? Estávamos felizes?

Quando analisamos com Inteligência Emocional, teremos consciência de que nossas respostas sinceras trarão a realidade dolorosa do relacionamento.

Ou seja, o OUTRO foi mais corajoso em finalizar a relação, ele nos permitiu a LIBERDADE de encontrarmos alguém que componha a nossa vida com QUALIDADE, com PARTILHA, com SAÙDE.

A nossa dor mortal pode estar sendo mascarada pelos términos de relacionamento, pelo desemprego, pela morte de alguém…
Esse mascaramento é o nosso mecanismo de defesa.
Estamos nos defendendo de nós mesmos. Estamos querendo culpar o outro, pela nossa baixa AUTOESTIMA.

Hoje, como você está?  O que já acabou, finalizou? O que está acontecendo, podemos melhorar, aprimorar. O que viveremos depende de nós AGORA, JÁ.

Vamos lá, curar a nós mesmos, entendendo e aceitando os porquês de sua AutoEstima em baixos níveis atrapalhar a sua vida. A compreensão humilde gera força motriz transformacional.

Procure ajuda profissional, ter alguém com respaldo científico nessa empreitada é sempre bom.

Abraços Curativos da Melcina.

_________

Direitos autorais da imagem de capa: wavebreakmediamicro / 123RF Imagens



Deixe seu comentário