ColunistasRelacionamentos

São tantas diferenças que as semelhanças tornaram-se a base da nossa conexão…

São tantas diferenças

Fiquei refletindo ontem à noite… é algo que faço com muita frequência.



Tento entender o que as pessoas que passam por minha vida querem que eu sinta ou vice-versa.

Só podemos aprender algo se este algo nos faz sentir, se nos afeta. Não importa se o sentimento foi bom ou ruim, mas o que gerou em nossas emoções.

Eu me importo com você = trago você dentro de mim.


Conversamos sobre tudo, nos primeiros dois meses, os diálogos eram intensos e rotineiros.

Que loucura! Podemos dizer sem medo que nos conhecemos como muitas pessoas não nos conhecem, apesar de não nos conhecermos fisicamente. É muito paradoxal!

Habitamos um mesmo local que foi construído através de nossa empatia.

São tantas diferenças que as semelhanças se tornaram a base da nossa conexão.


Queria gritar “touché” porque hoje tenho a plena convicção que somos alunas e professoras de um conteúdo exclusivo.  Como se existisse somente para nós duas aprendermos.

Imagine uma palestra sem ministrante e no auditório eu e você.

Então nos indagamos:

– O que estamos fazendo aqui se há um mundo lá fora nos esperando?


-Talvez precisemos aprender que também carregamos o “mundo”, ou seja, a vida dentro de nós. Estar aqui pode ser entendido literalmente como, estar aqui com você.

– Mas, por que você?

– Ainda não tenho resposta mas acredito que temos algo que só nós duas precisamos aprender e ensinar.

E nesse diálogo entre centenas de cadeiras vazias e um palco sem ninguém, iniciamos nossa conexão.


Discussões, brigas, paz, discussões, brigas, tristeza, bloqueios… como é pesaroso, doloroso “expulsar” alguém da nossa vida… doeu… Ah! Como doeu! De tanta dor a humildade surgiu como meio mais humano de pedir perdão.

Já parou para pensar o quanto de emoções que sentimos?

Agora diga-me, sem receios, sem racionalizar, sem medo de parecer vulnerável: como poderíamos definir esse todo nosso sentir? Essa palestra que ainda estamos assistindo, só eu e você?

Que sentimento é tão poderoso que nos mantém “juntas” mesmo estando separadas?


Mesmo tendo discutido tanto?  Mesmo tendo reticências que só vivemos em nossa imaginação?

A M O R

Não pense em sexo ou coisas do gênero! Acredito que nós aprendermos a nos amar à nossa maneira.

Amar a essência da pessoa, sem rótulos, sem o presencial… amar o que estamos nos tornando ao ficarmos sozinhas nesta palestra chamada “nós”.


___________

Direitos autorais da imagem de capa licenciada pelo site O Segredo: olga555 / 123RF Imagens

Hoje escolho ser minha prioridade. Hoje escolho ser feliz!

Artigo Anterior

Recomece quantas vezes for necessário, mas nunca desista de ser feliz!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.