Se a vida é feita de escolhas, opte por não ser obrigado a corresponder às expectativas dos outros



Fazer as coisas por obrigação é a maior contradição da vontade. E, também, o maior desperdício de tempo em ser feliz. Alguns deveres são fundamentais para a boa convivência em sociedade, mas há outros que não. Como por exemplo:

1. Ser feliz sempre

Não, ninguém é obrigado a ter uma vida constantemente feliz. A fingir que está tudo bem, quando tudo vai mal. Dizer que não doeu, que não ficou desapontado. Não somos obrigados a ser feliz no trabalho que nos suga até a alma, nem em um relacionamento que não nos faz bem. A vida é feita de altos e baixos. Às vezes, estamos tristes, acabados e temos todo o direito. Só não podemos deixar esse sentimento nos vencer.


2. Ser perfeito

Não, ninguém é obrigado a saber tudo, a ter todas as respostas. Somos seres repletos de limitações. Cometemos muito mais erros do que acertos. No trabalho, com as pessoas e, principalmente, em nossas vidas. É uma grande contradição querer ser perfeito se somos notadamente imperfeitos, uma vez que estamos nesse mundo para evoluir. A falha faz parte do aperfeiçoamento. Comece a se preocupar quando o erro não fizer de você uma pessoa melhor.


3. Estar sempre de bom humor

Não, ninguém é obrigado a manter aquele sorriso constante no rosto. A dar aquele bom dia alegre às 6 da manhã ou rir de uma piada sem graça. Somos humanos e nossa partitura de sentimentos é bastante variável. Rir o tempo todo, da maldade, do desastre dos outros ou ser simpático quando se está destruído por dentro é sinal de que algo não vai bem com a gente. Isso mesmo, mau humor, se não for chatice, pode ser um sinal de saúde mental.


4. Ceder sempre

Não, ninguém é obrigado a ceder sempre. A dar o braço a torcer toda vez que briga com alguém ou dizer sim para tudo. Há um limite seu, próprio, da alma. Respeite isso vá até onde der, sem jamais corromper sua dignidade. Não deixe que o egoísmo dos outros faça com que você se sinta egoísta porque disse não pela primeira vez.  Às vezes, não ceder, é o que a gente precisa para voltar ao caminho da nossa própria felicidade. Portanto, escolha-se, de vez em quando. Faz bem ao coração.


5. Encaixar-se nos padrões de beleza

Primeiro que os padrões de beleza são inventados. Eles não existem na vida real de um ser humano normal. Modelos magérrimas sofrem com dietas rigorosíssimas, além de sofrerem de distúrbios alimentares, sem mencionar que aquelas perfeições de revistas são todas esculpidas, não pela natureza, mas pelo computador. Se o seu espelho tivesse photoshop, você também seria uma modelo. Então, valorize sua saúde e seja um ser humano bom, porque beleza mesmo é estar de bem consigo mesmo.




6. Corresponder aos padrões da sociedade

Cada pessoa tem sua própria concepção de felicidade. Não existe tempo certo para se formar, casar e ter filhos. Aliás, não existe nem obrigação sobre essas coisas. Não importa se vão falar que você ficou para titia, se o filho do vizinho já está pós-graduado ou se a profissão que você escolheu não é a mais lucrativa. O cabelo é seu! Pinte da cor que você quiser. Ame quem você quiser. Sempre respeitando o limite do outro, faça o que quiser. Quem decide o momento de ir atrás de um sonho é você, e de desistir também.

Jamais esqueça: felicidade forçada nunca será real. Você não tem obrigação nenhuma de fazer sentido para os outros, a sua única obrigação nessa vida é ser verdadeiro consigo mesmo.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: marinazg / 123RF Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.