4min. de leitura

Se eu tivesse poderes, meu filho, eu os usaria para que nada de ruim acontecesse a você

Se eu tivesse poderes, habilidades especiais ou dons incomuns, tenha certeza, meu filho, de que os usaria para que nada de ruim acontecesse a você.

Eu colocaria uma grande proteção ao redor do seu coração para que ele não se partisse, fecharia todas as férias na pele, e na alma, em segundos, curaria todas as suas dores, e substituiria todos os seus medos e inseguranças por certezas e motivações.


Entretanto, infelizmente eu não sou capaz de fazer isso. O meu maior superpoder é o amor, através do qual posso fazer o meu melhor para que sua vida seja sempre feliz, segura e cheia de bons momentos. Não posso curar suas dores em um passe de mágica, mas posso lhe oferecer meus abraços e carinhos, ajudando-o a se manter sempre forte.

Todos os pais já passaram ou ainda passam por isso, desejar ter a habilidade de diminuir as dores dos filhos e fazer com que suas vidas sejam sempre felizes e prósperas, eliminando todos os sentimentos negativos. No entanto, isso é impossível, além de não podermos controlar o mundo ao redor deles, é preciso compreender que as crianças precisam desses momentos ruins, em que tudo acontece de forma inesperada, para que desde cedo aprendam que o mundo não funciona de acordo com sua própria vontade.

Por mais que nos doa ver nossos filhos experimentando o lado ruim da vida: doenças, machucados, corações partidos, decepções, essa é uma parte fundamental da construção de seu caráter, valores e uma das principais definições de como será o seu futuro. Filhos que são criados com uma bolha ao seu redor crescem despreparados para o mundo.



Como podemos usar os poderes que já temos para melhorar as vidas de nossos filhos

Existem algumas coisas que estão ao nosso alcance e que podemos fazer para ajudar nossos filhos em suas caminhadas. As mães, por exemplo, possuem um incrível dom, os seus beijos mágicos que podem ajudar a curar os machucados de seus filhos. Um estudo realizado pela Universidade de Pittsburgh revelou que, quando as crianças sofriam alguma lesão rápida, como um tombo, os beijos das mães eram mais eficazes do que remédios para lidar a dor.

Isso funciona porque o carinho das mães, e dos pais também, tranquilizam as crianças, liberando oxitocina, e com isso endorfina. Apesar de os beijos dos pais não curarem de fato os machucados dos filhos, certamente são um reforço positivo que ajudam na recuperação. As crianças se sentem muito mais seguras quando eles estão por perto.

Nunca teremos total controle sobre as vidas de nossos filhos, eles têm as próprias jornadas e existe um limite de até onde podemos interferir em seus destinos, mas mesmo com essas limitações, sempre podemos estar por perto e fazer o que for possível para que eles vivam bem.


Ainda que não tenhamos superpoderes, temos todas as habilidades possíveis para criarmos crianças mais felizes e seguras.






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.