Se hoje não deu certo, amanhã dará



Ninguém é motivado cem por cento do tempo, e se você conhecer alguém assim, desconfie. Na vida real, a motivação foge pela janela e pode voltar no outro dia ou depois de um tempo.

O despertador toca, ainda meio sonolenta apelo para mais cinco minutinhos.

Fui até tarde trabalhando ontem, mereço. Os cinco se tornam dez, levanto, sem mesmo querer. São 5:40 da manhã.

Muita gente assusta quando falo da minha rotina. Acordo cedo porque das 6h às 8h o tempo é meu. Só meu. Não o divido com o WhatsApp, os e-mails, os projetos para terminar, a minha mãe me ligando, meu pai pedindo ajuda pelo whatsapp, as respostas no Instagram, a aula de inglês, os conteúdos para entregar, as reuniões e calls, o trabalho social ou a minha frustração por tentar equilibrar pratos diariamente. (Não que essa rotina seja uma reclamação, é uma escolha cansativa que eu amo).

Das 6h às 8h, o bairro que eu moro na cidade de São Paulo fica mais silencioso. Do sexto andar, durante a prática de Yoga e meditação, ouço passarinhos cantando no jardim do prédio ao lado. Ainda em jejum, vou para o café preto puro e os livros que leio pela manhã. Desço para a academia do prédio pelo menos três vezes na semana para os treinos de corrida. Correr ajuda a colocar o stress e a ansiedade no devido lugar. Só depois disso, o meu dia começa e daí o meu tempo é o tempo de todo mundo que faz parte da minha rotina.

O problema é que, às vezes, essa rotina tão cronometrada – que provavelmente tem um dedo da minha lua em virgem  – não acontece.

Eu não pratico Yoga, não medito, nem ouço os passarinhos, nem leio, nem desço para a academia para correr. Tem dias que eu aceito que estou cansada e me mantenho na inércia.

Ninguém é motivado cem por cento do tempo, e se você conhecer alguém assim, desconfie. Na vida real, a motivação foge pela janela e pode voltar no outro dia ou depois de um tempo.

E nesse período da falta dela, você provavelmente vai surtar por que perceberá a importância de ter um tempo só para você, sem a obrigatoriedade de viver o que os outros querem.

Nem sempre a motivação mora dentro da gente. Às vezes, ela quer sair de férias sem aviso prévio. E aí vem um detalhe que faz toda a diferença: as pessoas que convivem com você diariamente o estimulam a seguir seu objetivo ou o fazem abrir mão dele constantemente?

Quer um exemplo? Atividade física e alimentação regrada. Se a sua escolha é participar de uma prova de corrida, por exemplo, seus treinos são diários e, provavelmente, em períodos mais longos do que você geralmente treina, o que consequentemente o faz acordar ainda mais cedo. Sua alimentação será mais regrada e restrita, por motivos óbvios, se você quer fazer um bom tempo, precisa fortalecer seus músculos e talvez, precise perder peso para ficar mais leve e ganhar velocidade.

O seu planejamento semanal, até o dia da prova, será baseado no seu objetivo final: participar de uma prova de corrida. Seus horários serão alterados, sua alimentação idem. Então, aquele happy hour com a turma do trabalho vai ficar para depois, o jantar com as amigas também, a viagem para o final de semana idem. E é nesse ponto, que a sua prova de corrida se torna a prova da verdade e da resistência.



Quem estiver do seu lado, vai entender a sua ausência, vai apoiá-lo no seu objetivo e não vai achar que tal decisão o tornou uma pessoa chata e antissocial, pelo contrário, verá você como alguém determinado o suficiente para alcançar um objetivo – pelo menos por uma fase.

Por isso, a verdade e a resistência ali em cima. Quem não for de verdade, provavelmente não vai resistir em ter uma relação com você e suas – novas – escolhas.

Claro que o seu objetivo tem que beirar o bom senso! Sábado à noite, uma taça de vinho e um jantar com amigos não vai fazer mal a ninguém. O mesmo vale para casamento, chá bar, aniversários ou qualquer outro tipo de comemoração. Só não vale levar a marmita do frango com batata doce junto com o chá de hibisco. Comer e beber é social, no mínimo precisamos ser educados.

Relacionei a motivação com o esporte, mas faça a mesma análise em outras partes da vida. A sua motivação pensa duas vezes antes de sair de férias se tem ao lado alguém que diz: “Foque no seu objetivo, estou aqui!”

Somos movidos por resultados, e depois de tanto empenho e dedicação, eles começam a aparecer. (Prometo). Por isso que começar algo e desistir logo depois, não pode ser uma opção. Sabotar-se é diferente de, vez ou outra, dar uma folga para as metas.

Tem dias que eu também não estou a fim, mas fiz questão de me cercar de pessoas que dizem insistentemente: “Vá, sim!” Na maior parte das vezes, funciona.

Se hoje não deu certo, amanhã dará. Estamos juntas, tá? 


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: 123RF/Imagens






Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.