publicidade

Se você está com dúvidas se deve ou não continuar esse relacionamento, já tem sua resposta

Quando um amor acaba dentro de nós, nem sempre conseguimos perceber, pois o comodismo o encobre. Procuramos justificativas que nos façam permanecer naquele relacionamento vazio, sem perceber que estamos emocionalmente exaustos e com a sensação de que não dá mais. 



A todo tempo tomamos decisões. Decidimos nosso almoço, nossos cursos, nosso carro, nossa roupa e, sim, nossos amores. O problema é que o coração não obedece à razão e o conflito sentimental começa a partir daí.

Somos acostumados a viver um amor verbalizado: preferimos ouvir um “eu te amo” do que alguém que demonstre isso. Preferimos um “sou fiel” do que alguém que que deixe o celular desbloqueado. E, para piorar a situação, a filosofia romântica diz para aceitarmos tudo por amor, esquecendo que somos humanos e temos nossos limites (que, diga-se de passagem, são bem curtos).

Quando um amor acaba dentro de nós, nem sempre conseguimos perceber, pois o comodismo o encobre. Procuramos justificativas que nos façam permanecer naquele relacionamento vazio, sem perceber que estamos emocionalmente exaustos e com a sensação de que não dá mais.


Como toda separação vem acompanhada de dor, as pessoas insistem de todas as formas tentar preservar a relação que já chegou ao fim.

Insistem, viajam, fazem jantares maravilhosos, declarações, mas esquecem do mais importante: o amor já acabou.

Às vezes, o amor acabou sem motivo, sem culpa de ninguém. Talvez a relação tenha passado do estágio de euforia para o de amizade, outras a relação passou a ser conduzida por sentimentos excessivos: insegurança, ciúme, medo, ou talvez, acabou porque ambos projetaram no outro a responsabilidade em serem felizes. Não importa. O que importa é como será daqui em diante.

Enquanto na vida cotidiana tomar decisões parece simples, na sentimental parece que travamos e ficamos em estado de inércia. Talvez porque decisões implicam renúncias e nem todos têm maturidade para abrir mão do que vivem.


Marla de Queiroz dizia que  não é a vida que dificulta as coisas, são as pessoas que têm muito medo de mudar para arriscar uma felicidade que não é garantida. Todo mundo tem um trauma, um medo, algo que paralise, mas transformar isso em espaço para crescer, pouca gente faz”.

O pior do fim de um relacionamento não é ausência do parceiro. É o fim do “para sempre” dito no calor da emoção que assusta.

É desistir de sonhos e planos feitos com a outra pessoa. É o medo da obrigação de seguir em frente carregando as lembranças do passado.

Como dizia Rubem Alves: “Toda separação é triste. Ela guarda memória de tempos felizes (ou de tempos que poderiam ter sido felizes…) e nela mora a saudade”.

Francamente, é preciso focar na felicidade e caminhar. Nenhuma dor é permanente. Nem a sua!

Então, permita-se desistir e, simplesmente, siga em frente. O que acabou foi esse relacionamento e não seu sonho em ser feliz.


Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: antoniodiaz / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.