Se você se sente em paz, é porque fez o que acreditou ser melhor naquelas circunstâncias

4min. de leitura

Algumas vezes, agimos pela razão; outras, pela emoção; outras, por influência.



Quantas vezes você já foi influenciado por alguém? As pessoas costumam dar muita opinião sobre tudo, elas lhe dizem com quem você deve ficar e por que, como deve gastar seu dinheiro, seu tempo, sua vida. Escolhem suas amizades e em nenhum momento estão preocupadas em saber se você está feliz ou não. E, quando você mais precisa, ninguém pergunta se precisa de algo ou simplesmente lhe dão um abraço, uma palavra de apoio.

Somos a todo momento cobrados pelo que somos e o que deveríamos ser, pelo que temos e deveríamos ter. No entanto, se as mesmas pessoas que falam como deveríamos agir em determinadas situações fossem realmente exemplos a serem seguidos, não precisariam dizer uma só palavra, porque suas ações já valeriam como lições, o que, muitas vezes, não acontece.

Cada pessoa é única, possui sentimentos únicos e reagem a eles de forma diferente. Às vezes, pessoas que nos amam agem dessa forma também, querendo nos mostrar um caminho que consideram ser o melhor para nós, mas se esquecem de que tiveram direito a escolhas e nós também devemos ter.


Algumas vezes, agimos pela razão; outras, pela emoção; outras, por influência.

O fato é que, quando agimos influenciados por alguém, existe algo dentro de nós que nos diz: “Tudo bem, pode ser que dê certo.” No entanto, se no fundo, não acreditamos nisso, a sensação é de tristeza, insegurança e, muitas vezes, arrependimento. Tristeza por não ter feito o que queríamos fazer, insegurança para tomar essa e futuras ações, e arrependimento quando imaginamos como poderia ter sido se tivéssemos feito como queríamos.

A verdade é que nenhuma decisão que envolva mudança é fácil, porque mudar significa sair da zona de conforto, e é também uma incógnita, pode ou não dar certo.

Muitos gênios, que foram devidamente reconhecidos, tiveram de quebrar paradigmas, lutar por suas ideias. Foram chamados de loucos, humilhados e ultrapassaram barreiras emocionais. Em alguns momentos, duvidaram dos seus potenciais, mas em nenhum deles foram dominados por isso, porque realmente sabiam onde queriam chegar, e acreditavam no que estavam fazendo para alcançar seus objetivos.


Podemos ser sonhadores e realistas ao mesmo tempo, só não podemos deixar de ser nós mesmos para agradar a todos. Independentemente de ser alguém muito próximo que lhe diz o que fazer, caberá a você decidir se [tal sugestão] é realmente melhor ou não, se lhe faz bem ou não, se vale a pena ou não.

Colocar-se no lugar do outro não lhe dá o direito de viver pelo outro. Existe uma grande diferença entre aceitar por conveniência e aceitar por vontade própria.

Quando você se sente em paz ao tomar uma decisão, isso significa que você fez o que acreditou ser melhor naquelas circunstâncias, e ninguém tem o direito de condená-lo por isso. A sua vida pertence a você.

Independentemente das escolhas que fizer, estas terão algum impacto, e somente você terá argumentos sobre o porquê delas e os sentimentos detrás de cada uma.

A vida não é curta nem longa, ela é do tamanho dos sonhos e das emoções que você vive a cada segundo. Valorize-a acreditando mais em você mesmo e nas suas escolhas.

 

Direitos autorais da imagem de capa: Spencer Selover/Pexels.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.