Comportamento

Seleção feminina de handebol da Noruega se recusa a usar biquíni em jogos e é multada em R$ 9,2 mil

A escolha das jogadoras lhes rendeu uma punição e tem despertado a revolta de muitas pessoas. Entenda!



Quando se fala nas escolhas de roupas das mulheres, podemos esperar grandes polêmicas, porque há diferenças de pensamento entre aqueles que acreditam que elas devem se vestir como quiserem e os que defendem que cada lugar e ocasião pede um tipo de vestuário específico.

Geralmente, as mulheres são criticadas por usar trajes curtos e decotados, entretanto, recentemente, um grupo de esportistas foi punido exatamente pelo oposto.

Segundo contado pela BBC, a seleção feminina da Noruega de handebol de praia foi multada em € 1,5 mil (R$ 9,2 mil) por usar shorts ao invés de biquíni no Campeonato Europeu de Handebol de Praia. A partida em que as jogadoras optaram pela mudança de traje valia a medalha de bronze e foi disputada contra a Espanha, na cidade de Varna, na Bulgária.


A questão do uniforme nos esportes de praia vem sendo discutida há muitos anos, especialmente quando se trata das mulheres esportistas, que nem sempre estão confortáveis usando biquínis, por isso preferem uma roupa que mostre menos dos seus corpos.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@handballandslagene.

A escolha das jogadoras norueguesas foi malvista pela Federação Europeia de Handebol (EHF), que considerou os shorts “impróprios”, por isso tomou a decisão de punir cada uma das 10 jogadoras da equipe com o valor de € 150, o que resultou no total de € 1.500.

Num comunicado, a entidade afirmou que as roupas das jogadoras “não estavam de acordo com os regulamentos de uniformes de atletas definidos nas regras do jogo de handebol de praia da IHF (Federação Internacional de Handebol)”.


Antes da competição, a equipe da Noruega já havia pedido permissão à EHF para jogar de shorts, mas o pedido foi negado e as atletas informadas de que a quebra de regras seria punida com multas.

A Federação de Handebol da Noruega (NHF) apoiou o time em todos os momentos. Ela já havia informado que arcaria com as multas, se fossem aplicadas e, após a penalização, posicionou-se afirmando sentir orgulho das jogadoras que decidiram fazer uma mudança.

A federação ainda disse que continuará lutando ao lado das esportistas para “mudar as regras das vestimentas, para que as jogadoras possam jogar com as roupas com as quais se sentem confortáveis”.

Direitos autorais: reprodução Instagram/@norwaybeachhandballwomen.


Após o episódio, o Ministro da Cultura e Esportes da Noruega, Abid Raja, disse nas redes sociais que a punição foi ridícula e que é necessária uma mudança de atitude “no mundo machista e conservador” do esporte.

Eirik Sordahl, presidente da Federação Norueguesa de Voleibol, também se posicionou, afirmando à agência de notícias nacional NTB que algo assim não deveria ser um problema no ano de 2021. Nos próximos meses, uma moção para alterar as regras atuais será discutida pelos órgãos responsáveis na Noruega.

Com a notícia se espalhando por todo o mundo, muitas pessoas se sensibilizaram com a situação, inclusive a cantora Pink que, por meio da sua conta no Twitter, ofereceu-se para pagar a multa imposta à seleção. Pink escreveu que estava orgulhosa da equipe norueguesa por seu protesto e afirmou que a federação é que deve ser multada. A cantora ainda disse que ficaria feliz em pagar a multa.

Direitos autorais: reprodução Twitter/@Pink.


Mulher liga para a PM, solicita envio de boleto e atendente percebe pedido de ajuda por violência doméstica

Artigo Anterior

Homem percorre ponte na China há 18 anos para salvar pessoas. Ele já evitou mais de 400 mortes!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.