ColunistasRelacionamentos

Sem banalizar o amor, por favor!

Sem banalizar o amor por favor

Leia ouvindo: Carla Bruni – Quelqu’un M’a Dit



Esse deve ser o meu mais sincero manifesto sobre o amor, escrito justamente no dia que a humanidade escolheu comemorá-lo.

O dia em que os casais se orgulham da relação que tem. O dia também daquela gente falando que pode acabar com uma relação enviando um print de tela. Ah, os extremos! Não seria o amor o maior deles?

Boa parte das relações atuais não tem como base o amor. O amor de verdade sabe?


Aquele em que existe doação, cumplicidade e parceria. Afirmo com a certeza de quem já levou uma relação por mais de um ano sem dizer um único “Eu te amo”, somado a qualquer demonstração maior de afeto que machucava o ego. Errado. Muito errado!

Ter uma relação deixou de ser saudável para virar troféu. “Olha aqui, eu tenho um(a) namorado(a)!”. Tal troféu é exibido com louvor em dias como o de hoje, onde demonstrações digitais ganham mais pontos do que as diárias. E veja bem, isso para mim não é amor, é ego!

No amor, no ódio e por ego, quem nunca? Se pensarmos bem, quase sempre.

A maior motivação para se ter um relacionamento atualmente é simplesmente ter! Esquecemos de olhar para as relações como uma ponte que precisa ser construída diariamente. Perdemos o amor para o nosso próprio ego, confundido quase sempre com um tal de amor próprio.


No amor – aquele bom e velho conhecido – a gente é diferente. A gente entende que amor próprio é também doação. A gente aprende a valorizar o outro e automaticamente se valorizar. A gente entende que existem duas vidas que decidiram seguir juntas por opção, e não obrigação de ter um rótulo.

No amor real, e não líquido como tanto se fala, uma relação é construída com a convivência. Esqueça essa história de amor à primeira vista, isso é atração, amor é outra coisa.

Amor é tudo aquilo que nos preenche em dias felizes e nos torna reflexivos em dias ruins. Amor é extremo! Amor que é amor, é escolhido a dedo.

Não banalizem o sentimento mais bonito do mundo!


Não brinquem de misturar amor, gelo e gin. Não brinquem com fotos lindas, filtros incríveis e legendas poéticas no instagram. Não fiquem onde o amor não transborde. Não insistam onde o amor seque. Não joguem fora sentimentos concretos por aventuras líquidas.

Não desistam! Amar é fogo, mas o amor até hoje foi o melhor que eu vivi.

Se te desgasta não é amor. é a falta dele!

Artigo Anterior

Superando a depressão: cada um tem a sua energia vital!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.