Amor-PróprioColunistas

Senhor amor-próprio… Quero-o grudado em mim!

Senhor amor-próprio

Oi, você se esqueceu de mim! Jogou-me nas lembranças e um dia irei para as vagas lembranças. Saí de protagonista a coadjuvante.



Não tenho mais seus likes!  Não os virtuais que para mim não fazem falta, mas aqueles em forma de sorriso, de abraço, de carinho.

Estou machucado, ferido, encolhido num casulo.

Preciso sair daqui e me libertar. Desprendi-me de você!


Não sabia que tinha medo de ficar sem você. Acreditei que poderia ir assim, só.

Ledo engano! Fui ingênua. Julguei-me autossuficiente. Ah, que fantasia criei!

Sinto sua falta, saudade mesmo. Aquela que faz qualquer um suspirar!

Onde está você? Por onde anda?


Sinto-me frágil, como um cristal, sem você aqui.

Assustada e com choro engasgado.

Volte! Preciso de você aqui comigo.

Você acredita em mim, muito mais que eu mesmo. Fugi tantas vezes de você! Achava-o fraco, incapaz. Outro engano, ilusão pura e simples!


Mas você me coloca para cima! Faz com que eu me sinta alguém!

Alguém, do tipo, amado, desejado, necessário… feliz!

Você me traz o brilho, o sol, a vontade de estar vivo.

Sem você sou apática! Coloco-me em xeque!


Ah, como fico confuso. Volte!

Quero você assim, grudado em mim. Você não é minha extensão. É meu DNA!

Oi, acabei de descobrir uma coisa sensacional! Eu o afastei de mim!  Então Senhor AMOR-PRÓPRIO, quero você aqui e agora de novo, sem pestanejar!



Direitos autorais da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: leszekglasner / 123RF Imagens


O poema mais verdadeiro já escrito

Artigo Anterior

Traduzir-te – uma homenagem a ferreira gullar

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.