8min. de leitura

SER CONSCIENTE – CAPACIDADE DE AMAR – (TEXTO BASEADO NO LIVRO “MENTES PERIGOSAS: O PSICOPATA MORA AO LADO)

Conceituar consciência é algo extremamente complexo, acima de linhas religiosas e científicas. No entanto, ao nos instruirmos, baseando em sérios estudos no ramo da psiquiatria, podemos chegar a algumas reflexões.


Quando falamos em “estar consciente”, identificamos a noção do que somos e fazemos. Mas quando falamos em “ser consciente” o foco muda. Não se trata apenas de saber que existimos em nossa noção de individualidade. Ser consciente está relacionado às ligações emocionais que estabelecemos com os outros seres, ou seja, com a nossa capacidade de amar.

Alguns estudiosos dizem que ser consciente é o mais evoluído de todos os sentidos da vida humana, podendo-se caracterizar como “sexto sentido”, o que nos determina como uma parte de um todo, por isso sentimos compaixão e empatia, verdadeiras práticas do amor.

Mas alguns seres humanos são desprovidos deste especial sentido, base essencial de qualquer relação emocional. São aqueles capazes de enganar, criar intrigas, magoar, e até mesmo tirar vidas, SEM remorso. É difícil aceitar que o mal habita em algumas pessoas de forma tão natural que até aparenta ser o correto, ocorrendo inversão de valores. Mas isso é fato, temos as provas nos noticiários, no trabalho e, às vezes, até dentro da própria família. Alguns indivíduos são realmente desprovidos dessa consciência genuína, e possuem apenas uma grande capacidade cognitiva, o que os tornam capazes de destruir muitas vidas, seja fisicamente ou emocionalmente.


É natural que a gente se pergunte de forma íntima e angustiada se as pessoas com as quais convivemos, ou até nós mesmos, somos dotados de consciência, dessa verdadeira capacidade de amar. Esperamos que a resposta seja SIM, afinal preferimos acreditar que todos nós temos o bem e o mal habitando dentro da gente, e que podemos escolher o que queremos ser a qualquer momento. Mas a resposta, de acordo com os estudos, é NÃO. Algumas pessoas são desprovidas de qualquer vestígio do “ser consciente”, elas apenas estão conscientes. Dificilmente aprenderão a amar, a terem qualquer gesto de empatia, e sentirem culpa dos próprios erros. O lado “bom” é que apenas 4%, mais ou menos, das pessoas são incapazes de sentirem amor. O lado ruim é que, pelo menos até hoje, não se descobriu remédio para isso.

Como nos protegemos então dessas pessoas que não sabem amar? Só há um jeito, através da informação. Devemos nos instruir!


E não há como possuir o escudo da informação sem conhecer o terreno assustador que é a mente perigosa dos “sem consciência”. O primeiro conhecimento que devemos ter é que eles não são loucos, não possuem transtornos de ansiedade e pânico, e muito menos sofrimento mental como a depressão. São seres altamente lúcidos, frios e calculistas. São verdadeiros “predadores sociais”, que aproveitam nos outros exatamente o que eles não possuem. São como vampiros que sugam suas vítimas até o limite máximo de uso e abuso para satisfazerem suas próprias necessidades. É o extremo do egocentrismo. Vale ressaltar que todos os seres dotados de consciência podem fazer o mal e, dependendo do impacto emocional, até chegarem a matar devido ao instinto de sobrevivência. Além disso, vivemos numa sociedade individualista, com valores distorcidos. O que diferencia os seres conscientes dos não conscientes é o remorso, que cedo ou tarde bate à porta, ao ponto de não deixar a cabeça repousar ao travesseiro e, dependendo da extensão da maldade cometida, jamais deixará em paz quem cometeu um grande delito, a não ser com um profundo trabalho de auto perdão. Portanto, se você precisa ou já precisou do perdão de alguém para ter paz, fique tranquilo, pois provavelmente você possui consciência.

O segundo conhecimento é que, apesar de serem considerados “vampiros”, não é o sangue que eles querem, e sim a energia emocional. Possuem o grandioso poder de manipulação com histórias imaginárias e falsas promessas. O teatro é tão bem feito que eles despertam confiança e simpatia ao ponto de pensarmos que eles são melhores do que as outras pessoas. A princípio, eles podem parecer inteligentes, talentosos e encantadores, e só nos damos conta de que tudo não passou de uma ilusão quando eles desaparecem, deixando suas vítimas adoecidas, com a carteira vazia, o coração destroçado, e, nos piores casos, sem vida. Apesar de todo o estrago feito, a vítima ainda se pergunta: “Onde foi que eu errei?!”. Mas fique ciente e saia do jogo manipulativo, e então verá que a culpa não é de quem a sente e sim de quem não sente.

Terceiro, e talvez o mais importante, saber identificar o jogo da pena (do coitadinho). É o recurso mais comum e constante dos “sem consciência”. Eles se aproveitam da compaixão dos outros para dominar, controlar e fortalecer. A piedade costuma funcionar como uma folha de papel em branco assinada, onde eles irão escrever a mesma história, de terror ou suspense, quantas vezes tiverem oportunidade. Os sentimentos benéficos são extremamente necessários, mas devem ser direcionados às pessoas de bem, que realmente têm interesse em reparar seus erros, e não às que apresentam comportamentos inescrupulosos de forma consistente e repetitiva. Se você precisa perdoar as mesmas falhas por várias vezes, desconfie.

Muitas vezes os sem consciência convencem as pessoas que são capazes de viverem fortes emoções, porém confundem amor com excitação, tristeza com frustração, raiva com irritabilidade… Emoções tão superficiais que são consideradas proto-emoções (respostas primitivas às necessidades imediatas). Quando eles “perdem o controle”, sabem exatamente até onde querem ir, no sentido de machucar as outras pessoas.

Portanto, se você precisa conviver com pessoas sem consciência, mais conhecidas como psicopatas, procure se instruir ao máximo para conseguir se libertar do contaminado ambiente manipulador. O ideal é que você vibre amor para elas, mas de longe. Se puder se afastar, essa é a melhor opção. Somos seres energéticos, a matéria nada mais é do que energia em vibração, que se condensa. E a energia dos que não conseguem amar aos outros é pesada, dominadora, destruidora. Se proteja e fortaleça através do conhecimento. Não deixe que te tirem seu bem mais precioso, sua energia, sua força, sua vida.





Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.