publicidade

Será sempre assim. Em um dia você perde o telhado, no outro ganha as estrelas

Ganhando as estrelas, teve a clareza de que muitas vezes a gente perde o que achava importante, mas conquista o que não imaginaria, nem em um milhão de anos! Vida é mistério…



Tinha apenas vinte e sete anos e já estava cansada de tentar entender tudo. Vinte e sete anos e desejava a paz de desconhecer a maioria dos mistérios do mundo. Tinha se formado em engenharia, mudado de cidade e se casado com o terceiro namorado. E agora, aos vinte e sete, encarava a face incompreensível da vida, pela primeira vez. Havia um mistério envolvendo a maioria de todas as coisas que julgava certas, e desvendar esse mistério não era mais uma busca ou necessidade. Iria se permitir ser parte do mistério também.

Nem tudo mora no visível, agora ela compreendia. Assim, questionou a própria mania de listar prós e contras, a arrogância de achar-se perita nos mais diversos assuntos, a satisfação de decifrar as mais complicadas equações, o desejo de controlar tudo. O imprevisível e o inexplicável tocavam sua face agora, e abraçar a nova realidade era sua única saída e salvação.

Sua força não estava mais nos livros que leu, nos cálculos que resolveu, nas músicas que ouviu, nos filmes que assistiu.


Sua força estava no mistério que a habitava, e que a conectava de uma forma nova com a vastidão do mundo e da vida.

Tinha nascido Tereza, mas agora tornava-se uma mulher muito diferente daquela que sua mãe dera a luz. O novo parto, sem anestesia alguma, trouxe à tona uma nova Tereza, a que desistia de tentar entender ou explicar, e agora apenas aceitava. Aceitava sua singularidade, a incapacidade de moldar-se para agradar, a escassez de certezas. Era mais contemplação que contestação, mais mergulho em si mesma que medo de se aprofundar, mais contradição que simetria.

Estava descobrindo seu próprio tempo, não o tempo dos relógios, mas seu tempo interno, e esse era o que mais importava agora. Seus novos instantes traziam uma escuta atenta aos seus desejos, um perdão às suas imperfeições e um enorme respeito por sua individualidade.

Abria mão da culpa e confraternizava com a alegria clandestina que vivia dentro dela. Sua felicidade mais pungente era aquela que abraçava sua alma, e a fazia sorrir, assim, do nada, no meio de uma conversa animada ou recolhida em seus próprios pensamentos.


Não havia encontrado respostas, mas a constatação de que há muito mais por aí do que a gente possa entender ou explicar tirara-lhe um peso dos ombros. Abria mão do controle, dos palpites, dos juízos e previsões.

Queria a liberdade de afogar-se em seu próprio pranto ou de transbordar seu riso, sem condenações.

Tinha vinte e sete anos e havia amadurecido. Não por ter se formado em engenharia, casado com o terceiro namorado e mudado de cidade. Mas sim porque, mesmo sem entender, decidira abraçar a própria história com todas as lágrimas, noites sem dormir, borboletas no estômago e alegrias dançarinas que vieram se somar, sem convite, ao que ela era.

Desistiu de compreender a vida quando a casa que havia construído dentro de si perdeu o telhado. Ganhando as estrelas, teve a clareza de que muitas vezes a gente perde o que achava importante, mas conquista o que não imaginaria, nem em um milhão de anos, que aqueceria nosso coração.

Vida é mistério…


Direitos autorais da imagem de capa: Daniel Spase/Pexels.

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.