publicidade

Seu próximo amor não tem culpa pelo anterior…

Puxa uma cadeira, um banquinho, senta no chão, fique à vontade. Vamos conversar.



Pegue um café, mas não o tome; deixe esfriar.

Vamos iniciar nossa conversa,  então.

Muito interessante esse seu último amor; chegou chegando, cheio de beijos e abraços, risadas, um verdadeiro mar de rosas.

Aquele misto de desejo e certeza, vontade de caminhar de mãos dadas, de dividir uma vida, de apresentar à família, de estar todos os dias assim, sorrindo.


E foi tão bonito! Dava certo gosto ver seus olhos brilhantes a cada mensagem recebida no celular.  A forma como você se desdobrava em contar cada detalhe, sem deixar passar nem uma vírgula, demonstrando estar revivendo o momento dentro de si. Tudo tão lindo!

Agora pegue seu café; sinta o cheiro. Sentiu? É um cheiro adocicado, um pouco enjoativo, que traz à memória a sensação de algo passado. Beba seu café; Bebeu? Sim, eu sei pela sua cara que ele está pra lá de frio, grosso, trazendo ao paladar o sabor daquilo que já foi bom.

Assim como o café, seu último amor, infelizmente, foi deixado de canto e esfriou.

Não porque você quis ou porque fez com que isso viesse a acontecer, mas por causa da correria entre trabalho e estudos, pela falta de tempo até para tomar banho, pela constante necessidade em terminar aquele trabalho que você havia começado na semana passada… E assim, em meio à bagunça dos seus dias a xícara de café ficou esquecida sobre a mesa do computador, e junto a ela ficou o sentimento, os momentos vividos, a pessoa que se foi.


Sim, foi difícil compreender, e pior que isso, aceitar, mas a verdade é que o que passou ficou para trás. E junto a todo esse passado é preciso embrulhar as coisas ruins e jogar fora.

É como quando você acorda no sábado de manhã e percebe a xícara de café ali, esquecida, e então decide jogar aquele café fora, lavar a xícara, e tirar do seu quarto também os papeis de bala, os rascunhos que se acumulam, as roupas sujas usadas durante a semana, o tapete que precisa ser varrido.

Da mesma forma que seu quarto, seu coração necessita de uma verdadeira limpeza, de uma organizada daquelas que a mãe da gente faz enquanto estamos fora de casa, sabe?

Então! É preciso organizar tudo, tirar fora o que sobrou da última pessoa que passou por você. Abrir as janelas da alma e permitir que o sol entre e renove o ambiente. Jogar fora as dúvidas sobre o que aconteceu, as tristezas, a sensação de culpa, o medo do recomeço.

Quando esperamos visita, deixamos a casa limpa, da mesma forma, para que alguém visite nosso interior, ele precisa estar com tudo em dia.

A próxima pessoa que passará por você não tem culpa pela bagunça causada pela anterior. Não tem mesmo. Assim como você ela carrega consigo uma história cheia de altos e baixos e da mesma forma, você não tem culpa pelo que ela teve de enfrentar até te encontrar.

Agora, pegue outro café. Se o da garrafa estiver frio, faça outro. Encha uma xícara, e aprecie o aroma encorpado, o sabor de coisa nova. Seu próximo amor chegará até você como esse café: Bem forte, quente e doce. Não o deixe esfriar.

Beba enquanto estiver quente, sentindo em suas mãos a sensação de calor trazida por ele. Não tenha medo de se queimar; se for quente demais, você aprenderá o momento certo para degustar. Se estiver muito doce, beba-o aos poucos, para não enjoar. E se for muito forte, acrescente um pouco de água (bem quente) para torná-lo melhor ao paladar.

Só não o deixe sozinho, esfriando no canto, por medo de tomar café novo. No início, pode até ser igual a qualquer outro café, mas depois, você perceberá que cada detalhe está na medida certa para você.

____________

Direitos autorais da imagem de capa: teksomolika / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.