ColunistasReflexão

Simplesmente pare de se fazer de vítima!

Então há o carrasco e a vítima, o mocinho e o bandido, o bem e o mal?



Não!

Não funciona assim na vida real, então vamos olhar para esta estranha mania de nos vitimizarmos diante de quase tudo.

Temos uma vida e o que se espera é que sejamos o protagonista dela, o diretor, o condutor da charrete, o responsável por cada um de nossos atos.


Vivemos em um país de terceiro mundo e o que vi estudando e viajando por outros cantos foi que a vitimização é maior em países de origem latina e em países pouco desenvolvidos.

vitima1

Parece-me que os países de primeiro mundo são povoados por pessoas mais assertivas e menos propensas a se ofender e se vitimizar por qualquer coisa. Fico pensando se o não é inclusive esta característica de seu povo que leva estes países ao desenvolvimento.

Vitimizar-se diante de tudo nos tira completamente a capacidade de ação e de responsabilidade sobre as nossas escolhas e as consequências destas. Se é sempre culpa do outro e se sempre arrumamos um jeito de responsabilizar o outro ou o mundo ou Deus ou o diabo ou quem quer que seja, nunca teremos que mudar nem tampouco melhorar nada em nós mesmos.


A vítima é sempre digna de pena, é a coitadinha, porém, acreditem: a pena (o dó) é o pior sentimento que alguém pode nos dedicar.

Fazer-se de vitima e tentar fazer com que o outro sinta pena de você é um comportamento que esconde uma imensa covardia diante da vida e uma falta de comprometimento como cidadão ativo perante a sociedade.

O enfrentamento é o mínimo que se espera diante dos obstáculos que todos nós teremos. A capacidade de superação faz parte do percurso. Perder algumas vezes também. Não sairemos ilesos deste jogo chamado vida, nem da dor e nem do sofrimento. Responsabilizar sempre o outro e comportar-se como sendo sempre a vítima da circunstância fará de você um indivíduo fracassado e solitário: ou você acha que os outros gostam de conviver com quem sempre se faz de vítima? Afinal se você é a vítima a culpa será sempre deles! Não há quem suporte isso!

Ao invés de se comportar sempre como sendo a vítima lesada e inocente, seja o protagonista. Se alguém lhe fizer mal, supere e simplesmente siga. Pouco importa se você ou o outro foi o culpado. A culpa não serve para muita coisa na nossa existência. Há uma lei de causa e efeito que nos rege. Você faz, você paga.


Muitas vezes nos farão mal, com o sem intenção. Muitas vezes nós também faremos mal aos outros, mesmo sem querer, então, não há vítimas neste palco. Intercalamos os papéis – exatamente para aprendermos. Trocar papéis significa se colocar no lugar do outro e esta é a forma mais eficaz de evoluir e fazer algo de útil para a sociedade na qual vivemos.

Não se faça de vítima, escolha um papel mais ativo, afinal de contas as vítimas passam o filme todo sofrendo. Não tenha pena de si mesmo, pois este é o sentimento mais desprezível que se possa ter por si e pelo outro. A pena não nos faz agir. E mais, olhe nos olhos de pessoas que realmente estão sofrendo neste momento e você vai descobrir algo muito bacana: quando uma pessoa sofre de verdade, ela não se faz de vítima.

vitimacapa

IMPORTANTE: Estou em férias nas próximas quatro semanas e vou lhes deixar na excelente companhia do meu querido amigo e parceiro Marcel Camargo que vai assinar esta coluna e a quem aproveito para agradecer por me substituir.


Não se apegar para não sofrer…

Artigo Anterior

Coberta de dinheiro, coberta de tristeza.

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.