publicidade

Síndrome de wanderlust, a obsessão por viajar

Desde o início dos tempos, os homens sempre foram exploradores e buscam novas terras para viver e trabalhar. Graças a esse anseio natural de descoberta, fomos capazes de encontrar lugares encantadores e contribuir para o desenvolvimento de nossa espécie.



Com o passar do tempo, as pessoas começaram a criar raízes e estabelecerem suas vidas em algum lugar fixo. No entanto, essa obsessão por viajar e explorar o mundo ainda permanece viva em muitas pessoas, e tem até mesmo um nome especial: Síndrome de wanderlust.

As pessoas que vivem com a síndrome de wanderlust possuem uma “necessidade” fora do comum de conhecer novos lugares e descobrir outras culturas.

O termo wanderlust origina-se da junção de duas palavras inglesas, wandern (que significa excursão, viagem, passeio) e lust (que significa desejo, anseio). Combinando as duas palavras, cria-se o tempo “desejo (ou paixão) por viajar”.


Conhecendo melhor a síndrome de wanderlust

A síndrome de wanderlust vai muito além de apenas o desejo e planejamento de viagens de férias, vai muito além da expectativa pelo dia da viagem e da angústia de voltar para casa, é uma necessidade real de viajar e descobrir o mundo.

Homens e mulheres são afetados da mesma maneira por essa síndrome, especialmente quando estão entre os 20 e  40 anos. Essas pessoas estão constantemente procurando novos lugares para os quais “fugir”. De acordo com pesquisas que foram publicadas sobre o assunto, as viagens e explorações são alguns dos maiores interesses dos jovens de nossas gerações, e essa realidade pode ser muito influenciada pela evolução tecnológica, principalmente pela internet, que facilita o acesso à passagens e planos de viagens.

Grande parte do tempo das pessoas que sofrem com a síndrome de wanderlust é gasto na busca por destinos, voos, hospedagens e até mesmo filmes e documentários que possam despertar a ideia de um novo destino. Além disso, essas pessoas investem a maior parte de seu dinheiro nas viagens. Uma curiosidade sobre essas pessoas é que, diferentemente do restante, o que mais importa para elas é a viagem em si, o prazer do descobrimento, e nem tanto o destino.


Quando viajamos, descobrimos mais sobre o mundo e também sobre nós mesmos, nossos gostos, sonhos, limites e desejos. Aprendemos a nos abrir para o novo e a sair de nossas zonas de conforto. Temos a oportunidade de conhecer diferentes pessoas, modos de vida e tradições, e, ao mesmo tempo em que aumentamos nosso conhecimento sobre o mundo e a vida, também alimentamos nossos espíritos.


O papel da genética

Nem todas as pessoas possuem esse grande desejo de viajar. Para alguns, as viagens são apenas sinônimos de descanso, e é suficiente apenas ir à cidade vizinha, para alguma diversão rotineira.

Por esse motivo, os especialistas acreditam que a compulsão por viagens ou o wanderlust pode ser transmitido a nós pela genética. Para eles, essa obsessão localiza-se em nosso gene DRD4-7r, um receptor de dopamina que posteriormente foi nomeado como “o gene viajante”.

O pesquisador da National Geographics David Dobbs diz que o gene viajante faz com que as pessoas que o possuem “aceitem melhor mudanças e aventura, e também sintam mais afinidade para assumir riscos em termos de novas ideias, comidas, relacionamentos, etc”.

Outra curiosidade sobre essas pessoas é que elas tendem a ser mais independentes, criativas, e abertas a novas visões sobre a vida.


Você sofre da síndrome de wanderlust?

Se você tem um amor por viagem e quer saber se sofre da síndrome de wanderlust, confira abaixo alguns sinais que caracterizam essas pessoas:

  • Você não escolhe suas viagens baseado em luxo e conforto. Gosta de sair de sua zona de conforto.
  • Está sempre com seu passaporte e documentos prontos para caso alguma viagem “surpresa” apareça.
  • Explorar e conhecer novas culturas não é um desejo, mas uma necessidade básica, e você investe seu dinheiro nessas aventuras com prazer.
  • Mesmo que tenha acabado de chegar de uma aventura, já começa a se preparar para outra, pesquisa destinos e começa a poupar dinheiro.

O desejo de viajar também pode se relacionar às nossas experiências de infância, porque é nessa fase que desenvolvemos nossa imaginação e o desejo em saber o que há além daquilo que conhecemos.

Se você se identifica com as características acima e desde criança e sente-se inspirado a conhecer o mundo e viver experiências transformadoras, provavelmente convive com a síndrome de wanderlust, e isso é algo muito positivo, porque o incentiva a crescer e evoluir em sua jornada. Apenas tome cuidado para manter um equilíbrio saudável entre as viagens e a sua vida pessoal e profissional. Quando tudo está alinhado, prosperamos muito mais!

Você acredita que sofre dessa síndrome? Como é sua experiência com viagens? Comente abaixo!


Direitos autorais da imagem de capa da imagem de capa licenciada para o site O Segredo: olegdudko / 123RF Imagens

Baixe o aplicativo do site O Segredo e acompanhe tudo de pertinho. Android ou IOS.

Texto escrito com exclusividade para o site O Segredo. É proibida a divulgação deste material em páginas comerciais, seja em forma de texto, vídeo ou imagem, mesmo com os devidos créditos.




Deixe seu comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.