ComportamentoRelacionamentos

Sobre dar e receber: como a codependência nos prejudica tanto quanto outros vícios…

Alguma destas situações soa familiar para você?



– Seu namorado fuma, e você quer ajudá-lo a cortar o vício. Você sabe que ele não poderia fazê-lo sem você. Você é a única pessoa que entende o suficiente para ajudá-lo a se tornar uma pessoa melhor. Você deixá-lo saber o tempo todo que pode ajudar a mudá-lo, que sem você, ele irá falhar.

– Sua namorada ainda não te ligou para avisar que foi trabalhar. Talvez ela não esteja indo para o trabalho, você pensa. Vocês dois discutiram ontem à noite. Você começa a pensar que talvez ela esteja te deixando, te abandonando sem aviso. Você sempre foi o preocupada com o que pode, na verdade você diz isso a ela o tempo todo.



Se assim for, você pode estar vivendo uma codependência.

Essas relações exibem, muitas vezes, a dependência física, psicológica e emocional de seus parceiros.

Uma pessoa com problemas de codependência vai tentar sacrificar suas próprias necessidades e desejos para satisfazer as necessidades de seu parceiro. A codependência está enraizada no sentimento de baixa autoestima e insegurança.

Alguns especialistas acreditam que a codependência começa na infância, quando uma criança deve cuidar das necessidades dos outros em primeiro lugar. Crianças que cresceram com pais alcoólatras, abusivos e viciados em drogas são propensas a experimentar codependência em seus relacionamentos futuros. Crianças que crescem nestas situações aprendem a acreditar que não são importantes e, por vezes, que elas são a causa dos problemas de suas famílias.


Para pessoas que não são especialistas em relacionamento, a codependência pode ser parecida com uma intensa quantidade de amor. Esse amor, no entanto, vem de um lugar de medo. Pode ser medo da crítica, do abandono, de fazer alguém sofrer.


A codependência pode estar afetando seriamente nossas relações adultas

Estes relacionamentos adultos codependentes são injustos, emocionalmente prejudiciais e, por vezes, abusivos – espelhando a infância da pessoa


É por isso que a codependência deve importar para você. Se você quiser ter um relacionamento adulto saudável, tem que entender o que é codependência e como ela pode estar te afetando. Se você puder identificar a sua codependência, poderá trabalhar para melhorá-la. Você e seu parceiro merecem isso.


A maior pista para identificar a codependência é uma relação insatisfatória

Uma das maiores pistas de que você pode estar enfrentando codependência é que você ‘não pode encontrar satisfação na sua vida sem o seu parceiro. Ao invés de ser independente na relação, você precisa da outra pessoa para sua felicidade pessoal e identidade.


As pessoas com codependência podem ter baixa autoestima e sentirem que não são boas o suficiente para outras pessoas. Elas buscam aprovação constantemente por meio de agrados. É difícil para elas dizer “não”.

Além disso, indivíduos codependentes podem sentir-se responsáveis por problemas de outra pessoas.


Alguns outros sinais de codependência podem incluir:


  • Sensibilidade às críticas
  • Necessidade de controle sobre outros
  • Cuidar de alguém que tem problemas com drogas ou álcool,

  • Negar problemas pessoais
  • Sentimento interior de desamparo


Acha que estes sentimentos te descrevem?

Primeiro de tudo, não se preocupe. Isso não é o fim do mundo. Na verdade, é o começo de uma jornada de aprendizagem e desenvolvimento pessoal.

Há passos que você pode tomar para combater a codependência em seus relacionamentos atuais ou futuros.



Para ter amor saudável em sua vida, tente o seguinte passos:

  • Imagine-se em um relacionamento saudável e amoroso onde todas as suas necessidades são atendidas. Qual é a sensação?
  • Comece a questionar a dúvida sobre sua autoestima. Você só precisa provar sua autoestima para si mesmo!
  • Pratique a gentileza consigo mesmo, em vez de se concentrar em ser gentil apenas com os outros.
  • Não se esqueça de que aceitar a ajuda de outras pessoas não é apenas bom, também é saudável. Conhecer e admitir que você precisa de ajuda são sinais de força, não de fraqueza.
  • Não se preocupe tanto com a rejeição. O constante medo de ser rejeitado vai te impedir de tomar os riscos que o levarão a um relacionamento longo, saudável e feliz.

Por último, mas não menos importante, reconhecer o processo de recuperação

Acima de tudo, não negue que você tem problemas com a codependência. Reconheça e admita isso. O primeiro passo para a recuperação é a honestidade consigo mesmo. Você passou a vida tentando negar sua codependência. Agora é a hora de enfrentá-la de frente. Busque outras pessoas que podem entender o que você está sentindo para obter ajuda.

Olhe para seu passado e tente identificar qualquer coisa, desde a sua infância, que pode ter causado o desenvolvimento da codependência enquanto adulto. Você não está sendo desleal com sua família ao admitir que tem questões não resolvidas em sua infância. Às vezes, este desafio é melhor abordado com um profissional.

O último passo para superar é deixar ir relacionamentos tóxicos. Se você está muito envolvido em outra pessoa ou relacionamento, não será capaz de se concentrar em seu processo de cura. Isso permite que você libere energia para si mesmo e quebre o tóxico ciclo de codependência.

Lembre-se de que você não está sozinho neste processo, e que você vale a pena!


Referências do texto: GoodTherapy: Codependency – WhatIsCodepency: Symptoms of Codependency – PsychCentral: What Causes Codependency? – MentalHealthAmerica: Co-Dependency  – WebMD: Are You In A Codependent Relationship? – PsychCentral: Symptoms of Codependency – GoodTherapy: Codependency – HuffingtonPost: Overcoming Codependency: Reclaiming Yourself in Relationships – LifeCounsel: Overcoming Codependency – LifeCounsel: Overcoming Codependency – LifeCounsel: Overcoming Codependency

____

Traduzido pela equipe de O Segredo – Fonte: Life Hack

Combata os sentimentos de solidão com sabedoria…

Artigo Anterior

Liberte a negatividade para abraçar o positivo!

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.