Animais

Solitário e faminto, cãozinho traumatizado se entrega ao resgate depois de um ano de abandono

1 capa Solitario e faminto caozinho traumatizado se entrega ao resgate apos um ano de abandono

Com muito medo dos humanos, Krispy teve muitas dificuldades para confiar em alguém novamente. Seu resgate era urgente!



O abandono animal é um dos comportamentos mais tristes do ser humano, que mostra não apenas o pior lado de quem supostamente deveria zelar, mas também a falta de sentimentos. Os bichos não deveriam servir apenas para massagear o ego de seus cuidadores; eles possuem sentimentos tão complexos quanto os nossos.

Cada vez que um resgate acontece, independentemente de onde seja feito, envolve muito sacrifício, esforço, dedicação e tempo das pessoas que escolhem proteger os animais. Cada voluntário dificilmente recebe salário pelo trabalho que realiza, normalmente as organizações não governamentais (ONGs) dependem exclusivamente de doações.

Quando uma ONG não consegue apoio, os suprimentos para os animais que resgatam, o tratamento médico de que os bichinhos precisam e o bem-estar deles ficam em risco, já que o número de pessoas que adotam é inversamente proporcional ao de animais resgatados. Parece simples pegar um animal extremamente vulnerável e ferido na rua, mas envolve questões que vão além do simples desejo de querer.


Todos os dias, os voluntários do DAR Animal Rescue distribuem alimentos para os animais de rua locais, não deixando o cuidado de lado, mesmo que não possam efetivamente resgatar todos.

Num desses momentos, eles se depararam com Krispy, um cãozinho de rua solitário, que vagava à beira de uma estrada, parecendo desnorteado e faminto.

A equipe decidiu tentar resgatá-lo, já que era visível sua desnutrição, e logo percebeu que o resgate não seria assim tão simples – ele tinha pânico de se aproximar de humanos. O trauma era tão simples de se constatar, bem como os terrores que aquele pequeno animal deveria ter sofrido ao longo dos meses, enquanto esteve na rua.

1 2 Solitario e faminto caozinho traumatizado se entrega ao resgate apos um ano de abandono

Direitos autorais: reprodução YouTube/DAR Animal Rescue.


A pandemia da covid-19 deixou os animais em situação de rua em condições piores do que antes, isso porque muitas pessoas anônimas saem pelas ruas alimentando os peludinhos, trabalho que parou quase que completamente com a quarentena.

Além disso, o desemprego afetou não só as pessoas, mas também as demonstrações de solidariedade, já que muitas não têm mais dinheiro para comprar comida nem sequer para si mesmas.

Krispy estava tão faminto, que se aproximava dos voluntários, mas logo era lembrado de seu trauma, e se afastava. Por outro lado, a fome era tão grande, que ele voltava várias vezes para pegar mais comida, o que facilitou seu resgate, mas também mostrou quão vulneráveis os animais ficam nas ruas, já que qualquer pessoa poderia ter feito a mesma coisa, sem necessariamente ter boas intenções.

1 3 Solitario e faminto caozinho traumatizado se entrega ao resgate apos um ano de abandono

Direitos autorais: reprodução YouTube/DAR Animal Rescue.


Assim que é resgatado, a equipe decide levá-lo imediatamente ao veterinário, para compreender qual era seu estado de saúde. Constatou-se que Krispy pesava apenas 5 quilos. Ele precisou permanecer na clínica para receber tratamento adequado contra desnutrição, desidratação e dirofilariose (infecção por nematódeos filários).

1 4 Solitario e faminto caozinho traumatizado se entrega ao resgate apos um ano de abandono

Direitos autorais: reprodução YouTube/DAR Animal Rescue.

Enquanto recebia tratamento, a equipe da ONG pôde procurar um lar adotivo definitivo para o pequeno. Não foi difícil. Quando as pessoas se unem para fazer o bem, as chances de os animais serem bem tratados e felizes são mais altas. Hoje Krispy tem um lar, uma família que o ama, recebe todos os cuidados básicos e mais: é reconhecido como um ser vivo.



O que achou desta história?

Comente abaixo e compartilhe-a nas suas redes sociais!

PM que acusa tenente-coronel de assédio e ameaças de morte é exonerada após decidir deixar carreira

Artigo Anterior

Aos 24 anos, ex-aluno de escola pública é o estudante mais novo a se tornar doutor na Universidade da Paraíba

Próximo artigo

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.